Última hora

EUA deixam de considerar os colonatos israelitas na Cisjordânia como ilegais

EUA deixam de considerar os colonatos israelitas na Cisjordânia como ilegais
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Estados Unidos já não consideram os colonatos israelitas na Cisjordânia como contrários ao direito internacional.

Em oposição, a ocupação de território palestino é considerada ilegal pela ONU e grande parte da comunidade internacional.

O anúncio da mudança de posição de Washington foi feito pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

"Este é um problema político complexo que só pode ser resolvido por negociações entre israelitas e palestinianos. Os Estados Unidos continuam profundamente comprometidos em ajudar a facilitar a paz, e farei tudo o que puder para ajudar esta causa," afirmou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Pompeo adiantou que a decisão não pode ser considerada como um sinal verde à colonização.

Mas um facto é que pode ser interpretada como um incentivo ao primeiro-ministro israelita demissionário Benjamin Netanyahu, que propôs anexar parte dos colonatos na Cisjordânia ocupada.

O negociador palestiniano, Saeb Erekat, acusa os Estados Unidos da América de substituírem a lei internacional pela lei da selva.

"Eles estão, realmente, a fechar as portas do direito internacional e a abrir as portas do extremismo, do terrorismo, da violência, da corrupção, do derramamento de sangue, e a fazer com que as pessoas sejam forçadas a acreditar que a única maneira de resolver problemas é através da violência e não através de meios pacíficos," declarou o negociador palestiniano, Saeb Erekat.

De acordo com a convenção de Genebra e as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, a comunidade internacional considera a transferência de cidadãos israelitas para territórios ocupados como ilegal.

Por seu lado, a União Europeia já lembrou que a posição sobre a ilegalidade dos colonatos permanece "inalterada".

O ex-enviado especial dos EUA para as negociações israelo-palestinianas, Martin Indyk, considerou o movimento como uma "chapada na cara" dos palestinos e questiona a mudança no momento em que Benny Gantz tenta formar governo em Israel.

Depois de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e a soberania do Estado judaico sobre os montes Golã, Donald Trump reforça, agora, a proximidade com Nethaniu e faz aumentar o fosso com palestinianos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.