Última hora
This content is not available in your region

Justin Trudeau confirma abate de avião por míssil iraniano

Justin Trudeau confirma abate de avião por míssil iraniano
Direitos de autor
Ebrahim Noroozi / AP - Ebrahim Noroozi
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, confirmou a teoria de que o avião ucraniano que caiu em Teerão foi abatido.

Trudeau diz estarem reunidas provas suficientes de que o Boeing foi atingido por um míssil do sistema de defesa antiaérea do Irão.

Agora, quer uma investigação completa e independente para apurar as causas do que aconteceu.

"Temos informação de múltiplas fontes, inclusive dos nossos aliados e dos nossos serviços secretos. As provas mostram-nos que o avião foi abatido por um míssil iraniano. Isto poderá ter sido acidental", afirmou, em conferência de imprensa.

Um vídeo do The New York Times veio confirmar a tese de que o avião foi abatido.

Os sistemas antimísseis iranianos terão atingido, por acidente, a aeronave, durante a madrugada de quarta-feira. Tinham sido ativados poucas horas antes, na sequência dos ataques a duas bases aéreas no Iraque, onde estão posicionadas forças norte-americanas.

Antes de Trudeau, já Trump tinha afastado a hipótese de erro mecânico. Em conferência de imprensa, o presidente dos Estados Unidos optou, no entanto, por ser vago quanto às causas do acidente.

"Eu tenho as minhas suspeitas. Não quero dizer quais são, porque outras pessoas terão as delas. É um acontecimento trágico. Mas alguém pode ter cometido um erro no outro lado. Há quem diga que foi mecânico. Pessoalmente, não acredito que essa seja sequer uma questão", disse.

O presidente da Ucrânia afirmou que os peritos do país já estão no terreno e a trabalhar para estabelecer "o mais rapidamente possível" as causas do desastre, em que morreram 176 pessoas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.