Última hora
This content is not available in your region

Depois do teletrabalho chegaram as teleaulas

euronews_icons_loading
40 anos/Angola: Luta de libertação angolana explicada nas escolas aos dez anos
40 anos/Angola: Luta de libertação angolana explicada nas escolas aos dez anos   -   Direitos de autor  PAULO CUNHA/ 2015 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Tamanho do texto Aa Aa

Oito dias antes do governo decretar o estado de emergência e o fecho de fronteiras como medidas de prevenção da covid-19, o ministério da Educação em Angola suspendeu as aulas em todas as instituições de ensino públicas e privadas.

Com as crianças em casa sem perspetivas de quando voltar a escola, os ministérios da Comunicação Social e da Educação lançaram as tele e rádio aulas. O secretário de estado para o Ensino Pré-Escolar e Geral, Pacheco Francisco, diz que o objetivo é passar algum conhecimento para manter as crianças no mesmo nível de aprendizagem.

O projeto denominado Escolinha em Casa tem a duração de um ano e é dirigido aos estudantes do primeiro ao sexto ano de escolaridade. Em declarações à Euronews, o casal Eugénia e Francisco dizem que é uma boa iniciativa.

Neste momento Angola vai já na segunda semana do estado de emergência e contabiliza 17 casos confirmados de pessoas infetadas pela Covid-19, dentre elas duas mortes, duas recuperações e treze casos ativos.

Covid-19 em África

Em África, o número de mortes provocadas pela covid-19 já ultrapassa as 500, tendo-se registado mais de 10. 500 casos em 52 dos 54 estados africanos.

Está quarta-feira, a União Africana lançou um apelo aos estados membros para a mobilização de cerca de 138 milhões de euros para dar resposta às necessidades imediatas na prevenção e propagação da pandemia.

Um fundo que será gerido em parceria pelo Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (CDC África) e a AfroChampions Initiative. Já contribuiram para o referido fundo a África do Sul, a República Democrática do Congo, o Egito, o Quénia e o Mali.