EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Merkel volta a manifestar-se contra "coronabonds"

Merkel volta a manifestar-se contra "coronabonds"
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A chanceler promete, no entanto, uma ajuda mais generosa por parte da Alemanha.

PUBLICIDADE

Angela Merkel está disposta a abrir os cordões à bolsa do governo alemão e dar uma contribuição maior ao orçamento da União Europeia para ajudar os parceiros afetados pela crise gerada pela epidemia de Covid-19. Neste discurso no Bundestag, a chanceler alemã voltou, no entanto, a rejeitar a ideia da emissão de dívida comum aos vários Estados da União Europeia - as "eurobonds", agora também chamadas "coronabonds".

Justifica a posição com a necessidade de reformar os tratados europeus para que isso fosse possível.

"Vamos supor que existe tempo e vontade política de partilhar a dívida, Nesse caso, todos os parlamentos nacionais da UE e também o parlamento alemão teriam de decidir rever os tratados europeus, de forma a que uma parte das leis orçamentais passasse para o controlo europeu. Isso seria um processo difícil e demorado e nada disso poderia ajudar na atual situação, porque o que é preciso agora é uma ajuda rápida, com ferramentas que possam aliviar as consequências desta crise", disse a chanceler.

Rever os tratados seria um processo difícil e demorado e nada disso poderia ajudar na atual situação.
Angela Merkel
Chanceler da Alemanha

Estima-se que a epidemia de Covid-19 e as medidas de prevenção ditadas por governos de todo o mundo, incluindo os europeus, cause uma crise económica sem precedentes desde a Segunda Guerra Mundial.

Com um plano de recuperação a ser discutido pelos chefes de Estado e Governo da UE, o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, diz que este plano tem de ser pelo menos do dobro do montante da resposta de emergência, ou seja, 1 bilião de euros. Mário Centeno, presidente do Eurogrupo, fala mesmo em vários biliões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados exigem compromisso na cimeira da UE

Parlamento alemão debate violência no país e condena ataque contra Robert Fico

Borrell compara destruição em Gaza com danos causados nas cidades alemãs na Segunda Guerra Mundial