Última hora
This content is not available in your region

Interdição de surf na Nazaré em dia de recorde diário de mortes

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques com AP e AFP
euronews_icons_loading
Terapeuta fala com "paciente Covid" na UCI do hospital de Santa Maria
Terapeuta fala com "paciente Covid" na UCI do hospital de Santa Maria   -   Direitos de autor  AP Photo/Armando França
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal sofreu esta quarta-feira um novo recorde de mortes diárias no quadro da Covid-19. De acordo com os dados recolhidos pela Direção Geral de Saúde, 59 pessoas infetadas pelo SARS-CoV-2 morreram entre terça e quarta-feira, mas nem tudo foi negativo.

Pelo menos 2.357 pessoas foram dadas como recuperadas da infeção pelo novo coronavírus e, pela primeira vez em duas semanas de agravamento da epidemia nacional, o número de pacientes internados desceu.

Há menos 12 pessoas hospitalizadas em Portugal, embora nas 2.337 camas ocupadas atualmente estejam mais cinco doentes internados em unidades de cuidados intensivos. Ao todo, a DGS tem registadas 325 pessoas a receber assistência em UCI.

Com mais 7.497 casos inscritos esta quarta-feira no quadro, incluindo 3.570 resultantes de atrasos no reporte laboratorial, a epidemia em Portugal já se eleva a um total de quase 157 mil infeções diagnosticadas desde a chegada do SARS-CoV-2 ao país, incluindo 2.694 óbitos e 88.946 pessoas recuperadas.

Entre março e maio, com o impacto em Portugal da primeira vaga da epidemia, as inscrições para novas cirurgias no Serviço Nacional de saúde (SNS) desceram quase 60% e os novos pedidos para consultas hospitalares de diversas especialidades, entre janeiro e maio, também decaíram quase um terço em comparação com a média mensal de 2019, revela um relatório do Tribunal de Contas.

O agravamento constante da crise, com "uma taxa de notificação acumulada a 14 dias acima dos 240 casos por 100 mil habitantes", levou o Ministério da Saúde a dar luz verde aos hospitais públicos para suspenderem este mês a assistência aos casos considerados não urgentes para assegurarem uma melhor resposta à progressão da epidemia.

Face ao atual crescimento da incidência da Covid-19, o Ministério da Saúde emitiu um despacho para garantir a melhor coordenação e articulação de resposta às necessidades, equilibrando a assistência regional e inter-regional.

"Estas medidas passam pela avaliação de suspensão, durante o mês de novembro de 2020, da atividade assistencial não urgente que, pela sua natureza ou prioridade clínica, não implique risco de vida para os utentes, limitação do seu prognóstico e/ou limitação de acesso a tratamentos periódicos ou de vigilância.
Ministério da Saúde de Portugal
Comunicado

O dia fica também marcado pelo início da autorização para a Linha SNS24 começar a emitir declarações provisórias de isolamento profilático "sempre que se verifique uma situação de risco", o que permitirá acelerar esse processo, lê-se no comunicado onde é citado António Lacerda Sales, o secretário de Estado da Saúde.

"Isto significa que, para a entidade patronal ou para qualquer entidade que exija a presença física do utente, esta declaração pode ser usada para justificar a necessidade de ficar em casa", esclareceu Luís Goes Pinheiro, o Presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde.

Esta quarta-feira, começou o confinamento local em 121 concelhos portugueses para tentar travar a progresso da epidemia e também a proibição da prática de surf na região da Nazaré, onde segunda-feira tinha começado oficialmente a época das ondas grandes.

Um comunicado da DGS levou a Capitania do Porto da Nazaré a implementar a medida e o respetivo capitão a informar os surfistas que têm esperado na Praia Norte as chegadas das maiores ondas do mundo desta interdição de se fazerem ao mar por tempo indeterminado.

Editor de vídeo • Francisco Marques

Outras fontes • DGS