Última hora
This content is not available in your region

Suspeita de crime ambiental em afluente do rio Danúbio

euronews_icons_loading
Rio Iskar foi muito afetado pelas fortes chuvas da última semana na Bulgária
Rio Iskar foi muito afetado pelas fortes chuvas da última semana na Bulgária   -   Direitos de autor  AP Photo/Valentina Petrova
Tamanho do texto Aa Aa

A Bulgária continua a tentar resolver os problemas provocados pelas fortes chuvas da última semana.

Um deles, a ilha de lixo plástico e restos de madeira a crescer junto à barragem da central energética de Svoge, a norte de Sófia, que pode ter origem em crimes ambientais.

A "montanha" de poluição está a avolumar-ser com detritos arrastados pelo rio Iskar, boa parte oriundos de Sófia, e a barragem de Svoge é o primeiro obstáculo no curso deste afluente do Danúbio.

O correspondente da Euronews na Bulgária explica-nos que "é suposto as autoridades locais limparem os rios do lixo que se acumula" sobretudo quando existe "alto risco de inundações após chuvas torrenciais". "Tal como aconteceu nos últimos dias”, acrescenta Damian Vodenitcharov.

Euronews
Ilha de lixo plástico e restos de madeira na barragem de SvogeEuronews

As autoridades de Svoge, a cidade mais próxima desta barragem, responsabilizam as populações por usarem o rio como lixeira, mas no verão passado funcionários da autarquia local foram apanhados a despejar um camião de lixo nas margens do Iskar.

A autarquia de Svoge, o município mais próximo, rejeita ser responsabilizada e alega nem ter capacidade para cuidar do rio.

Não temos capacidade para mobilizarmos um inspetor sempre que há alguém a fazer um piquenique ou um estaleiro ativo e os despojos sejam deitados ao rio.
Iliya Bogdanov
vice-presidente da Câmara de Svoge, Bulgária

O nosso correspondente lembrou o autarca que este é um problema onde também são visados a própria autarquia e os respetivos funcionários por alegadamente agravarem a situação ao despejar lixo no rio Iskar.

Iliya Bogdanov alega que "nada foi atirado ao rio" no caso referido. "O lixo foi apenas deixado ali temporariamente até que um outro camião o fosse recolher", garantiu o vice-presidente da câmara de Svoge.

A limpeza da crescente ilha flutuante de lixo revela-se complicada e o tempo corre em "contra-corrente" aos trabalhos.

A geografia da região torna impossível recolher os grandes montes diretamente para um barco ou para um camião. A única forma "sensata" parece ser o próprio sistema de limpeza da barragem e "pouco a pouco", explica-nos Veselin Shumanov, da central hidroelétrica de Svoge.

Estamos a baixar o nível da água e a separar pequenas porções de lixo para remoção.

"Parte do lixo vai passar, mas será removida na próxima barragem a jusante. Existem cinco barragens no total.
Veselin Shumanov
porta-voz da central hidroelétrica de Svoge, Bulgária

A ilha flutuante de lixo tem neste momento a área de um campo de futebol e continua a crescer, num fenómeno similar a outro ocorrido há seis anos.

Desta vez, em pleno inverno e com os termómetros a rondar os zero graus, existe ainda o perigo adicional de o rio congelar com a descida das temperaturas.

Se acontecer, esta ilha de lixo plástico e restos de madeira vai manter-se nesta zona do rio Iskar durante demasiado tempo.

De acordo com a agência de notícias de Sófia, Novinite, a central hidroelétrica de Svoge continua à espera que o nível das águas baixe um pouco mais para iniciar os trabalhos de limpeza do rio, que deverão demorar 2 ou 3 dias.

Outras fontes • Novinite