EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Fukushima e os desafios da energia nuclear

Fukushima e os desafios da energia nuclear
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O diretor-geral da Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA) considera que a energia nuclear é segura e contribui para o combate às alterações climáticas. Numa entrevista à Euronews, Rafael Grossi, explicou o destino do lixo nuclear não é um problema.

PUBLICIDADE

Há dez anos um poderoso sismo abalava o Japão e provocava um tsunami com consequências graves na central nuclear de Fukushima. A segurança deste tipo de energia voltou a ser questionada.

À Euronews, o diretor-geral da Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, explicou porque defende a energia nuclear.

"É uma energia com praticamente zero emissões de gases com efeito estufa. Portanto, o seu papel está aí. A questão - e é por isso que acho interessante que isto seja levantado neste 10 aniversário - é que tudo deve ser feito com o máximo de critérios de segurança. Um acidente não define a validade de uma tecnologia ou de uma industria, tal como acontece quando um avião cai os transportes aéreos não são colocados em causa", explica.

Mas com a energia nuclear surge o lixo nuclear, a sua gestão e como nos desembaraçarmos dele, um ponto que afasta muitas pessoas

O chefe da AIEA pensa "que é mais um assunto de imagem e de aceitação social do que de tecnologia. Tecnologicamente, as soluções são simples de implementar. Não há obstáculos ou impossibilidades. Não se trata de uma energia que carece de visão ou planos para o tratamento destes recursos".

O desastre obrigou o setor a adotar novas medidas de segurança, aumentando os custos. E agora, a indústria enfrenta também uma crescente competição das energias renováveis, cada vez mais acessíveis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Energia Nuclear na transição energética

Ataques em Zaporíjia: "Estamos perigosamente perto de um acidente nuclear"

Chéquia quer apostar na energia nuclear e deixar carvão até 2033