EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Irlanda do Norte festeja 100 anos

Irlanda do Norte festeja 100 anos
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Ricardo FigueiraTadgh Enright
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Divisão da ilha data de 1921. Celebrações do centenário preveem-se discretas, para evitar a repetição de episódios de violência.

PUBLICIDADE

A Irlanda do Norte faz 100 anos - Um centenário celebrado pelos unionistas, mas não pelos nacionalistas irlandeses. Foi em 1921 que foi ditada a divisão da ilha: "Quero celebrar a formação da Irlanda do Norte, a contribuição que este país tem dado ao mundo. Sim, tivemos os nossos problemas. Ninguém esconde esse facto, mas diga-me o nome de outro país democrático no mundo que não teve problemas. As pessoas dizem que vamos fazer parte de uma Irlanda unida dentro de 10 anos. Não acredito, mas é por isso que é importante que nos sentemos e trabalhemos juntos e façamos da Irlanda do Norte um país melhor do que aquele que é", diz Stephen Gough, líder comunitário protestante.

Festejos discretos

O confinamento está a ser levantado aqui e a vida está a voltar ao normal, o que deve abrir caminho a que haja celebrações do centenário, mas não estão planeados grandes eventos. As autoridades não querem reacender as tensões que houve recentemente, com motins desencadeados por causa do acordo comercial pós-Brexit.

Duncan Morrow, professor de ciência política na Universidade do Ulster, explica: "A verdade é que a violência não está longe da Irlanda do Norte. Penso que as pessoas não querem provocar os outros. Por outro lado, há quem se sinta provocado se não houver nada. "

As cicatrizes do conflito não se desvaneceram. Os chamados "muros da paz" mantêm as comunidades rivais separadas.

A Irlanda do Norte foi criada para manter a maioria pró-britânica dentro do Reino Unido, mas o equilíbrio de forças está a mudar: "Penso que não será o mesmo daqui a 100 anos. Os dados demográficos estão a mudar. A política está a mudar. Se é uma Irlanda unida ou se é outro tipo de enquadramento, não podemos imaginar, mas certamente parece que as coisas estão em movimento", diz Morrow.

Cicatrizes

Milhares de famílias pagaram um preço demasiado alto e perderam entes queridos com a violência. Há dois anos, a companheira de Sara Canning, a jornalista Lyra McKee, foi morta por terroristas nacionalistas irlandeses por causa de reportagens sobre motins na cidade de Derry: "Há muito pouco para celebrar sobre a Irlanda do Norte. Tem sido, desde o início, um Estado muito problemático. Com mais tempo, possivelmente, poderia mudar. O acordo de sexta-feira santa envelheceu e eu, pessoalmente, sinto que há espaço para melhorias. As pessoas continuam a dizer que não lhe querem tocar, mas penso que agora precisa de ser emendado para refletir com maior precisão a Irlanda do Norte. É uma paisagem completamente diferente do que era há 23 anos. Os moderados estão a tornar-se mais numerosos e esperemos que se façam mais ouvir. O maior problema aqui é que são as vozes mais extremas que são ouvidas".

O acordo pôs fim à maior parte da violência, mas não conseguiu ultrapassar a divisão que persiste.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pós-Brexit: bebidas com baixo ou nenhum teor alcoólico serão vendidas como "vinho" no Reino Unido

Unionistas terminam bloqueio: parlamento da Irlanda do Norte pode retomar atividade no fim de semana

Batalha legal contra as "prisões" temporárias de requerentes de asilo em Inglaterra