Última hora
This content is not available in your region

Arménios decidem entre voto de confiança ou regresso ao passado

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques com AFP
euronews_icons_loading
Arménios decidem entre voto de confiança ou regresso ao passado
Direitos de autor  أ ب
Tamanho do texto Aa Aa

A Arménia está hoje a votar para eleger um novo governo ou para dar um voto de confiança ao atual executivo.

Estas são eleições parlamentares antecipadas provocadas pelo primeiro-ministro em funções, Nikol Pashinyan, para tentar amenizar as tensões políticas geradas pelo acordo de tréguas celebrado no enclave de Nagorno-Karabach.

A concessão de territórios ao Azerbaijão, no âmbito desse acordo de cessar-fogo mediado pela Rússia, provocou críticas na oposição, fez Pashinyan perder muito apoio popular e mergulhou o país numa crise política que conduziu ao precipitar das eleições.

Os eleitores arménios têm 21 partidos e quatro coligações no boletim de voto, mas as sondagens indicam que a corrida irá decidir-se entre o partido "Contrato Civil", de Pashinyan, e a "Aliança Arménia", do antigo presidente Robert Kocharyan.

A coligação foi fundada este ano pelo antigo chefe de estado para se candidatar a estas eleições. Presidente do país entre 1992 e 1994, primeiro-ministro entre 1997 e 1998 e de novo presidente entre 1998 e 2008, Kocharyan ficou ligado a um acentuado crescimento económico do país num período de forte construção.

Absolvido já este ano de um caso em que era acusado de ter ordenado a repressão violenta de manifestações pós-eleitorais em 2008, Kocharyan crítica à gestão política do atual executivo e acusa Pashinyan de ser inexperiente enquanto governante.

O antigo jornalista chegou a primeiro-ministro em 2018 com a promessa de libertar a Arménia do domínio das elites e da corrupção instalada no país. Conseguiu 70% dos votos, mas agora o resultado pode ser bem diferente.

Uma sondagem do instituto MPG, citada pela agência France Press, colocava a "Aliança Arménia" na liderança com 29% das preferências e o partido "Contrato Civil" em segundo, com 25%.