Talibãs anunciam controlo do Panchir mas a resistência desmente

Talibãs anunciam controlo do Panchir mas a resistência desmente
Direitos de autor Jalaluddin Sekandar/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tropas fiéis ao anterior regime prometem que a luta contra os talibãs continua

PUBLICIDADE

O vale do Panchir é o último reduto da resistência afegã, o único território do país que ainda não caiu nas mãos dos Talibãs. Esta segunda-feira, o grupo que agora controla o Afeganistão anunciou ter assumido controlo da região, congratulando-se pelo fim da guerra, mas as tropas fiéis ao anterior regime não demoraram a desmentir a derrota, assegurando que a luta contra os talibãs ainda não tinha terminado.

No resto do país, este fim de semana foi dado mais um passo rumo à normalidade com o regresso dos voos domésticos. Sair do país, por enquanto, continua uma miragem, até porque o departamento responsável pela emissão de passaportes ainda não está operacional.

Uma questão de tempo, dizem os talibãs, que garantem que "os sistemas estão todos ativos e quando os superiores derem luz verde, as pessoas poderão recolher os seus passaportes."

Já com um pé fora do Afeganistão está a Itália, que anunciou que a sua embaixada em Cabul seria transferida para Doha, no Catar, devido à falta de condições de segurança na capital afegã.

Apesar dos receios de um regresso ao passado, a realidade é que qualquer solução para o presente, e futuro, do país passa necessariamente pelos talibãs. Angela Merkel reconhece que terá de dialogar com os talibãs, uma vez que é com eles que é preciso falar para poder retirar do Afeganistão quem trabalhou para organizações alemãs e pode estar em perigo.

No que diz respeito aos Talibãs, é claro que temos de falar com eles, porque é com eles que é preciso falar agora
Angela Merkel
Chanceler da Alemanha

A mais de sete mil quilómetros de Cabul, em Paris, o medo dos talibãs também se fez sentir e centenas de pessoas juntaram-se em protesto contra a situação no Afeganistão, dizendo que "os talibãs nunca mudam".

No terreno, no entanto, há sinais de mudança e as Nações Unidas já prometeram continuar a assistência humanitária no país após uma reunião com os talibãs.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talibãs reivindicam controlo do vale do Panshir

Novo protesto de mulheres no Afeganistão

Novo sismo de 6.3 no Afeganistão dias após um outro que fez mais de mil mortos