Última hora
This content is not available in your region

Rainha Isabel II na reabertura dos trabalhos em Holyrood

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Rainha Isabel II na reabertura dos trabalhos em Holyrood
Direitos de autor  Jane Barlow/PA Media
Tamanho do texto Aa Aa

A Rainha Isabel II, do Reino Unido, voltou a marcar este sábado a reabertura dos trabalhos no Parlamento da Escócia, atualmente controlado pelos independentistas do Partido Nacionalista.

No lançamento desta sexta sessão, Isabel, de 95 anos, esteve acompanhada do filho, o príncipe Carlos, e da nora, Camila. ambos denominados como duques de Rothesay quando estão na Escócia.

Foi a primeira vez que a monarca do Reino Unido marcou presença no apelidado Holyrood sem o marido, o príncipe Filipe, que era o duque de Edimburgo e morreu este ano, aos 99 anos.

No discurso de circunstância, a Rainha focou-se na luta contra as alterações climáticas e pediu aos deputados escoceses para colaborarem neste desafio, prometendo voltar à Escócia em novembro, para participar na conferência pelo planeta, a COP26, que se vai realizar em Glasgow.

"Os olhos do mundo vão estar sobre o Reino Unido, e na Escócia em particular, quando os líderes se juntarem para debater os desafios das alterações climáticas. O Parlamento escocês tem um papel-chave, assim como todos os parlamentos, na ajuda a criar um futuro melhor e mais saudável para todos nós e de se envolverem com as pessoas que representam, em especial com os mais jovens", afirmou a monarca do Reino Unido.

A Rainha teve ainda uma palavra de agradecimento para todos os que têm ajudado na Escócia durante a pandemia de Covid-19.

"Sempre referi a minha profunda e permanente afeição por este país maravilhoso e das muitas recordações felizes que o príncipe Filipe e eu sempre guardámos do tempo que aqui passámos. Diz-se habitualmente que são as pessoas que fazem os locais e há poucos lugares onde isto faça tanto sentido como aqui, na Escócia, como vimos em temos recentes. Todos reconhecemos as difíceis circunstâncias que muitas pessoas enfrentaram nos últimos 18 meses", disse.

Diversos deputados presentes no Parlamento não aplaudiram o discurso da rainha.