This content is not available in your region

ONU critica estímulos para a produção de combustíveis fósseis

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
ONU critica estímulos para a produção de combustíveis fósseis
Direitos de autor  AP Photo

Apesar do aumento das ambições climáticas, os governos ainda planeiam produzir mais do dobro da quantidade de combustíveis fósseis até 2030 do que seria aconselhável para a limitação do aquecimento global.

A conclusão é do relatório sobre o Défice de Produção, divulgado esta quarta-feira pelo Programa das Nações Unidas (ONU) para o Ambiente.

Farhan Haq, porta-voz da ONU, revelou que os países canalizaram mais de 300 mil milhões de dólares em novos fundos para atividades de combustíveis fósseis desde o início da pandemia - mais do que o valor que têm disponível para a energia limpa. Farhan Haq citou o Secretário-Geral da organização, que disse que há ainda um longo caminho a percorrer para um futuro de energia limpa. Para António Guterres, "é urgente que todos os financiadores públicos e privados, incluindo bancos comerciais e gestores de ativos, mudem o seu financiamento do carvão para as energias renováveis para promover a descarbonização total do setor energético e o acesso de todos às energias renováveis".

Os cientistas não têm dúvidas sobre a necessidade de uma queda acentuada na produção de gás natural, petróleo e carvão para o cumprimento do objetivo de manter o aquecimento global médio abaixo dos 1,5ºC. No entanto, vários países continuam a garantir estímulos financeiros para a produção de combustíveis fósseis. O relatório traça os perfis dos 15 maiores produtores: a Austrália, o Brasil, o Canadá, a China, a Alemanha, a Índia, a Indonésia, o México, a Noruega, a Rússia, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Reino Unido e os Estados Unidos.

A Arábia Saudita é um dos maiores produtores de petróleo do mundo e a Austrália é um dos maiores exportadores de carvão. Os dois países argumentam que o mundo não precisa de reduzir a utilização de combustíveis fósseis no curto espaço de tempo defendido pelas Nações Unidas.

Esta pressão pode fragilizar a Conferência sobre o Clima, que começa no próximo dia 31 na Escócia.