EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Covid-19 agrava cremações na Ucrânia

Pessoal médico prepara caixão para uma pessoa que morreu com Cocid-19
Pessoal médico prepara caixão para uma pessoa que morreu com Cocid-19 Direitos de autor Evgeniy Maloletka/AP
Direitos de autor Evgeniy Maloletka/AP
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Apesar do SARS-CoV-2 estar a contribuir para o agravamento das infeções e mortes num país com apenas 20% de vacinados, os familiares não mostram receio de contágio enquanto esperam pelos funerais

PUBLICIDADE

As cremações na Ucrânia duplicaram nos últimos dois meses em comparação com os números registados durante o verão e este agravamento está relacionado com a epidemia de Covid-19.

A Ucrânia é um dos países europeus com mais baixa taxa de vacinação, apenas 20% da população está totalmente protegida contra uma infeção grave pelo SARS-CoV-2, e isso tem-se refletido nos hospitais e nos cemitérios, onde as vítimas da Covid-19 são cremados devido ao perigo de contágio.

O porta-voz do crematório de Kiev contou à France Press que, "até agora, comparado com o verão, o número de procedimentos duplicou" . "No verão, tínhamos uma média de 60 cremações. Agora são entre 100 e 120", estima Andrey Yashchenko.

De facto, de acordo com a AFP, em agosto houve 1.400 cremações em Kiev, mas durante o mês de outubro, realizaram-se mais de 2.800, incluindo 600 de pessoas que morreram com Covid-19.

Devido ao receio de contágio, os velórios tiveram de decorrer com o caixão fechado, mas mesmo assim, nas filas de espera não parece haver grande receio deste coronavírus.

Olga Dmitrishina é economista e perdeu recentemente um familiar com Covid-19. Socorre-se do ambiente à sua volta para explicar à equipa de reportagem a falta de cuidado de quem espera o funeral do ente querido.

"Veja atrás de mim. Quantos estamos aqui? As pessoas nem mantêm espaço entre elas. Há um grande perigo de contrair o vírus estando aqui na fila de espera. Metade dos familiares das pessoas que aqui estão à espera do funeral morreram infelizmente com Covid-19. Como a nossa avó", lamenta Olga Dmitrishina.

Com uma média diria a sete dias a rondar as 20 mil infeções e mais de 650 mortes no quadro da Covid-19, esta segunda-feira a Ucrânia registou o segundo maior número de mortes diárias no quadro da pandemia, 442, só atrás da Rússia, que sofreu mais de 1.200 óbitos. E estes são os números de fim de semana, habitualmente mais baixos.

Outras fontes • AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Não vacinados alvo de restrições pela Europa

Investigadores portugueses desenvolvem vacina comestível contra covid-19

Nova onda de Covid preocupa governos