EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Aumento polémico dos direitos de regadio em Doñana

População contra aumento de regadio em Doñana
População contra aumento de regadio em Doñana Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Medida vai contra a legislação espanhola e as diretrizes da União Europeia

PUBLICIDADE

O governo da Andaluzia aprovou a consideração de dois projetos de lei "para melhorar a organização das áreas irrigadas no município", no Parque Nacional de Doñana, na província espanhola de Huelva. A medida vai contra a legislação nacional e as diretrizes da União Europeia.

Bruxelas ameaçou Espanha com multas milionárias, caso a proposta seguisse em frente, mas nem isso foi suficiente para o recuo. O Ministro espanhol da Transição Ecológica pediu para se “desistir” de uma iniciativa “nociva” para o parque declarado Património da Humanidade.

Os dois lados da moeda

De um lado, estão os que veem na agricultura sustento e que, por isso, recebem com bons olhos a possibilidade de aumento da exploração agrícola. Do outro, os militantes ecologistas que primam pela proteção da natureza e o respeito dos seus limites.

Os grandes rios da Península Ibérica estão a secar e os caudais a diminuir, devido ao aquecimento global, às secas mais longas e à agricultura intensiva.

Segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano, realizado pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF) e pelo grupo Rios Vivos da Europa, "cerca de 90% das bacias hidrográficas analisadas em vários países da União Europeia serão insalubres em 2027. Mas, em alguns pontos da Península Ibérica, já são sentidos os efeitos”.

Portugal e Espanha têm uma precipitação abaixo da média, em comparação com invernos anteriores. Do lado português, foi já suspensa a produção hidroelétrica em algumas barragens: Alto Lindoso, Touvedo (Alto Minho), Cabril e Castelo de Bode (Zêzere) são as barragens em questão, que deixam de produzir eletricidade a partir da água. Fica também suspenso o abastecimento de água para rega a partir da albufeira da Bravura (Lagos).

O governo de António Costa anunciou que iria reforçar a cooperação com o país vizinho para combater a seca na península.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Seca obriga à paragem de barragens portuguesas

O paraíso de Tenerife em chamas

Secas, desertificação, ondas de calor: a crise climática atinge duramente a Sicília