This content is not available in your region

Suécia acusada de "rapto" de crianças muçulmanas

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Suécia acusada de "rapto" de crianças muçulmanas
Direitos de autor  AP Photo/Andres Kudacki

"Parem de raptar os nossos filhos". Foram estas as palavras de ordem de dezenas de pessoas que se manifestaram em Estocolmo, a capital da Suécia, no início de Fevereiro. Dizem que os serviços sociais suecos estão a tirar os filhos das famílias muçulmanas, para os manterem afastados do Islão.

As autoridades suecas defendem-se dizendo tratar-se de uma campanha de desinformação em massa.Tudo começou no final de 2021 num site islâmico, onde constam vídeos que mostram crianças em lágrimas ao serem separadas dos pais por funcionários dos serviços sociais do país. Imagens divulgadas sem praticamente nenhum contexto.

Os vídeos vieram acompanhados de acusações de que a Suécia estaria a travar uma "guerra contra o Islão", colocando as crianças com pedófilos, obrigando-as a comer carne de porco e a beber álcool. As denúncias de que o país país nórdico seria um Estado fascista tornaram-se virais nas redes sociais. Alguns meios de comunicação social tanto do mundo árabe como ocidentais tiveram acesso a estas acusações.

Esta campanha não é apenas importante no YouTube e nos meios de comunicação social na Suécia, o tema é também abordado pelos meios de comunicação social internacionais, como Al Jazeera, Al Arabiya, Orient News, TRT - que estiveram no local para cobrir os protestos.
Julia Agha
Jornalista - "Alkompis"

As autoridades suecas falam de exagero, de casos tirados do contexto e de uma campanha de desinformação bem montada, mas de acordo com as estatísticas existe um núcleo de verdade já que nos últimos anos foram colocados mais filhos de imigrantes ao cuidados do Estado sem o consentimento dos pais do que filhos de cidadãos suecos.

Penso que as pessoas que fugiram da guerra e da perseguição têm frequentemente situações económicas difíceis e, por isso, acabam por ter problemas familiares mais frequentemente. Gostava de acrescentar que após anos de imigração relativamente elevada, não era inesperado assistir a um desequilíbrio no seio dos serviços sociais.
Anders Ygeman
Ministro da Imigração e Integração

Outra razão é que algumas famílias de imigrantes estão menos dispostas a aceitar a ajuda de assistentes sociais. Os casos estão agora a ser investigados. Os críticos apelam às pessoas para que coloquem as emoções de lado neste debate acalorado e a ignorarem eventuais problemas com os serviços sociais na Suécia.