This content is not available in your region

Ocidente investiga relatos de ataque químico a Mariupol

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Destruição em Mariupol, Ucrânia
Destruição em Mariupol, Ucrânia   -   Direitos de autor  Extrato de imagens da AP/EURONEWS

Os olhos do mundo viram-se para Mariupol. A cidade portuária ucraniana que as forças russas querem controlar a todo o custo pode ter sido já palco do primeiro ataque químico no país. Relatos vindos de fontes do batalhão Azov, a combater na região, dão conta de vítimas com falta de ar e problemas de coordenação motora, após um drone do exército russo ter sobrevoado o local. As informações, ainda não confirmadas, estão a ser investigadas pelo Reino Unido e Estados Unidos.

Ao Ocidente, o presidente ucraniano pede que trave estes ataques com mais sanções.

Volodymyr Zelenskyy afirmou esta segunda-feira, que "um dos porta-vozes" russos admitiu poder vir a usar armas químicas contra Mariupol e que essa informação está a ser levada "seriamente" pelas autoridades ucranianas. 

O chefe de Estado aproveitou ainda para recordar "aos líderes mundiais" que este tipo de ofensiva "já tinha sido discutida" e que, caso aconteça será necessária uma reação "muito mais severa e rápida" à "agressão russa".

Falar ou não falar com Putin

Ainda esta segunda-feira foi a vez de o chanceler austríaco, Karl Nehammer, tentar pôr um termo à guerra, mas sem qualquer resultado. Nehammer diz ter saído de uma reunião com Vladimir Putin sem uma "impressão otimista" e deixou o alerta para uma "ofensiva" de "escala massiva" e "já bem preparada" no leste da Ucrânia.

O encontro mereceu as críticas do primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, que diz "não ter mudado de ideias" quanto a conversas com Putin e que "nesta fase da guerra, quando a Rússia já cometeu crimes de guerra, não se deve falar com os criminosos" .

Depois de a Rússia ter retirado tropas da região de Kiev, a Ucrânia deu já por iniciada a "ofensiva final" contra o Donbass, região no leste do país, onde o Ocidente estima que Moscovo duplique ou mesmo triplique" as forças militares.