Pelosi de visita surpresa à Ucrânia: "a vossa luta é uma luta por todos"

Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, com presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, em Kiev
Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, com presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, em Kiev Direitos de autor AP/AP
Direitos de autor AP/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA encontrou-se com Volodymyr Zelenskyy, em Kiev, para discutir questões relacionadas com a guerra na Ucrânia e a reconstrução do país.

PUBLICIDADE

Numa visita não anunciada, Nancy Pelosi encontrou-se, este sábado, com Volodymyr Zelenskyy. Até ao momento, a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América é a mais alta dignitária norte-americana a visitar a Ucrânia.

Depois de esta semana Joe Biden ter visto aprovado pelo Congresso um pacote de 33 mil milhões de dólares (cerca de 31 mil milhões de euros) em ajuda ao país, as imagens do encontro, divulgadas apenas este domingo, mostram que Pelosi foi a Kiev com uma missão clara: a de reforçar pessoalmente o compromisso de Washington no apoio ao esforço de guerra e reconstrução.

"Estamos a visitar-vos para vos agradecer a vossa luta pela liberdade. Estamos numa fronteira de liberdade e a vossa luta é uma luta por todos. O nosso compromisso é estar ao vosso lado até que a luta termine", afirmou Pelosi à comitiva presidencial de Zelenskyy.

Já este domingo, numa conferência de imprensa na cidade polaca de Rzeszow, no sudeste da Polónia, Pelosi disse ter discutido questões de "segurança, assistência humanitária e económica e finalmente reconstrução uma vez alcançada a vitória".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Antony Blinken e Lloyd Austin em Kiev para encontro com Volodymyr Zelenskyy

Ataque em Chernihiv matou 18 pessoas e fez 61 feridos

Ucrânia aposta na indústria de defesa nacional enquanto aguarda por mais munições dos aliados