EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Polónia: cresce contestação em torno de registo médico das grávidas

Mulher grávida.
Mulher grávida. Direitos de autor Gerald Herbert/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Gerald Herbert/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Polónia passa, em outubro, a ter acesso a mais dados sobre a gravidez.

PUBLICIDADE

A Polónia prepara-se para colocar em prática, em outubro, uma recolha mais abrangente sobre os dados dos cidadãos. Informação sobre alergias, tipo sanguíneo ou gravidezes passarão a estar disponíveis numa base de dados central. O assunto tem suscitado polémica, uma vez que a lei do aborto é muito restritiva no país.

Antonina Lewandowska, da Fundação para a Mulher e Planeamento Familiar, defendeu que esta não é situação fácil de encarar para as mulheres.

"Ter o registo é assustador para as mulheres, que podem querer decidir interromper a sua gravidez fora do sistema de saúde"
Antonina Lewandowska
Fundação para a Mulher e Planeamento Familiar

Apesar das mulheres não serem punidas por isso, as informações ficarão visíveis e os profissionais de saúde poderão colocar questões aos doentes. Alei polaca permite às mulheres interromperem a gravidez até à vigésima segunda semana, mas pune quem as ajuda a fazê-lo, incluindo parceiros, ativistas e até mesmo médicos.

A médica Agnieszka Kurczuk diz que ser ginecologista é uma profissão de alto risco na Polónia e opõe-se de forma clara aos novos regulamentos.

"As mulheres estarão em risco de serem espiadas, controladas e, possivelmente, punidas por terem abortado"
Agnieszka Kurczuk
Ginecologista

O executivo polaco afirma que as novas regras não partiram da iniciativa do partido conservador no governo, mas que entrarão em vigor, como parte de uma recomendação europeia. O executivo diz que estas alterações serão extensíveis a toda a União Europeia.

ParaWojciech Andrusiewicz, porta-voz do Ministério da Saúde polaco, estas informações são importantes na "implementação de tratamentos". O representante do governo disse ainda que a informação sobre a gravidez é fulcral "quando se trata de salvar uma vida".

"Uma paciente grávida pode estar numa condição específica em que muitos medicamentos não podem ser administrados”
Wojciech Andrusiewicz
Porta-voz do Ministério da Saúde

Outro ponto de discussão é a proteção de dados pessoais, se esta partilha deve ou não ser imposta pelo governo ou se deve ser uma escolha voluntária para cada paciente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Varíola dos macacos chega à Polónia após infetar mais de 200 pessoas em Portugal

Polónia só obtém fundos de recuperação se reformar Justiça

"Portos da Polónia e Báltico têm de ser alternativa", diz presidente lituano