This content is not available in your region

Marchas do Orgulho em cidades do mundo inteiro

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Marcha do Orgulho em Varsóvia
Marcha do Orgulho em Varsóvia   -   Direitos de autor  Michal Dyjuk/The Associated Press

Este sábado multiplicaram-se pelo mundo as marchas do orgulho LGBTQI+

Na Polónia, país da União Europeia mais resistente às minorias sexuais, segundo a ILGA Europa, Varsóvia ergue-se como uma ilha liberal. A marcha conta com o total apoio do presidente da câmara liberal da cidade, Rafal Trzaskowski.

A marcha começou com um minuto de silêncio dedicado às vítimas do tiroteio noturno perto de um bar gay em Oslo, o que levou ao cancelamento do LGBTQI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, transexuais, queer e outros) Marcha do Orgulho na capital norueguesa.

Um participante no desfile afirma: "Em Varsóvia, permitimo-nos andar de mãos dadas e há cada vez menos julgamento com o passar do tempo, mas é óbvio que há tensão. O partido no poder despreza-nos tanto quanto pode, pelo que temos de nos defender por nós próprios".

Com o país em guerra, este ano, os ucranianos exilados celebraram o orgulho em Varsóvia. Lenny Emson, organizadora da Marcha ucraniana na capital polaca diz: "Este ano, em vez de marcharmos pelos Direitos Humanos para o povo LGBTQI, estamos a marchar pelos Direitos Humanos que nos foram retirados pela agressão russa".

Em Sarajevo, a marcha deste ano tem como mote o "dia das famílias" e muitos pais juntaram-se ao desfile para apoiarem os filhos.

A capital da Bósnia realizou o seu primeiro desfile em 2019, na altura com contramanifestações nas ruas.

Milhares de pessoas tomaram as ruas também na Cidade do México para o desfile do orgulho.

Este ano o desfile foi dedicado às mulheres e à diversidade sexual, num país marcado por uma onda de violência e ódio contra a comunidade LGBTQI+

Um estudante diz: "Estas marchas são para aquelas pessoas que não podem sair, o grito e estas coisas que gritamos e os estandartes que levantamos não são para nós, são para as pessoas que vivem no armário, que vivem nesta violência sistemática e sexista e é muito importante para mim gritá-lo e dizer que aqui estamos".

As ruas de Manila, a capital das Filipinas, também se encheram de gente e das cores arco-íris, para celebrar o orgulho.