EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Risco de colapso nos Alpes suíços

Kandersteg, Suíça
Kandersteg, Suíça Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Montanhas de Kandersteg monitorizadas por geólogos.

PUBLICIDADE

O colapso de uma parte do glaciar Marmolada nos Alpes italianos levantou receios de novas derrocadas de rochas - como em Kandersteg, na Suíça. A avalanche que teve lugar no dia 3 de julho matou pelo menos seis pessoas e feriu outras oito. Trata-se de uma estância de renome nos Alpes suíços, com um lago em alta altitude, chalés de madeira e muitos turistas; a cidade de Kandersteg oferece uma paisagem digna de um postal. Mas existe uma parte da montanha em risco de colapso, mesmo acima da aldeia. Este risco está a ser monitorizado de perto por uma equipa de geólogos e guias de montanha. Só é possível aceder à zona de helicóptero.

Face ao perigo, os geólogos colocaram dezenas de sensores para monitorizar os movimentos da montanha. Graças a estes instrumentos, os cientistas chegaram à conclusão que a montanha desloca-se vários metros por ano. Trata-se de um recorde nos Alpes e de uma das consequências do aquecimento global.

Em caso de chuvas fortes, a lama e as pedras cheguam perto das casas, mas foram feitos trabalhos para proteger as zonas habitadas. Apesar do risco real, os habitantes encaram a situação com um estado de espírito positivo. Uma residente acredita que: "se andarmos de carro todos os dias corremos mais riscos do que de sermos mortos por uma pedra da montanha".

É impossível saber quando a montanha pode ruir, mas graças aos sistemas de vigilância, o alerta pode ser dado com 48 horas de antecedência, o suficiente para deslocar as pessoas da localidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cinco dos seis alpinistas desaparecidos nos Alpes da Suiça foram encontrados mortos

Temperaturas do Lago Léman sobem para níveis recorde

Apoio à Ucrânia em foco no segundo dia do Fórum Mundial Económico