370 mil toneladas de cereais retirados da Ucrânia em 10 dias

O fluxo de saída de cargas dos portos ucranianos começou a ser estabelecido a 1 de agosto
O fluxo de saída de cargas dos portos ucranianos começou a ser estabelecido a 1 de agosto Direitos de autor Michael Shtekel/AP
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O maior celeiro da Europa volta a fornecer o mundo

PUBLICIDADE

Dez dias, doze cargueiros, mais de 370 mil toneladas de cereais e fertilizantes retirados da Ucrânia. Balanço positivo do fluxo a partir dos portos ucranianos para o exterior, depois do acordo sob a égide da ONU. A maior parte das embarcações estava impedida de circular desde o início da guerra. Agora o desafio alarga-se a todos os armadores.

"Até agora, autorizámos doze navios a partir dos portos ucranianos, transportando mais de 370 mil toneladas de cereais e outros produtos alimentares. Os cargueiros tinham ficado retidos nos três portos abrangidos pela iniciativa quando a guerra começou. A nossa prioridade é libertar o espaço nesses portos para que navios vazios possam entrar e trazer novas cargas," declara Frederick J. Kenney Jr., coordenador Interino da ONU no Centro Conjunto de Coordenação, na Turquia.

Esta quarta feira, dois navios deram entrada em Istambul. Três tiveram autorização de saída, depois de serem inspecionados. É o maior movimento deste que a rota foi autorizada.

A Ucrânia assinou um acordo com a Turquia e a ONU a 22 de Julho, abrindo caminho para a exportação de 22 milhões de toneladas de cereais, armazenados desde a invasão russa. Num memorando separado, a Rússia commprometeu-se com a ONU a retirar bloqueios aos carregamentos de alimentos e fertilizantes para os mercados internacionais.

O Centro Conjunto de Coordenação, que inclui peritos da Rússia, Ucrânia, Turquia e ONU, funciona em Istambul, na Turquia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro navio de cereais a Ucrânia inspecionado no Bósforo

Turquia abre centro de monitorização da exportação de cereais pelo Mar Negro

Ucrânia pede resposta internacional aos ataques russos contra portos