EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Regiões rebeldes da Ucrânia lançam hoje "referendos" para anexação pela Rússia

Veículo militar passa por cartaz pró-russo na região de Luhansk
Veículo militar passa por cartaz pró-russo na região de Luhansk Direitos de autor AP/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor AP/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Peritos consideram que consultas servem para que Moscovo tente legitimar ocupação e reforce resposta militar a ataques

PUBLICIDADE

Com o apoio do Kremlin, as regiões ucranianas sob controlo russo lançam a partir de hoje referendos classificados como "fictícios" por Kiev e todo o Ocidente que tem um resultado já conhecido por antecipação. Ninguém dúvida de uma larga vitória do "Sim" à anexação à Rússia.

Questionado sobre se vai votar, um residente da região de Luhansk diz que "sim" porque é "pela Rússia" e "pelos habitantes do Donbass".

Outra afirma que quer "algum tipo de claridade e estabilidade" e é por isso que vai participar no referendo.

Um terceiro defende que "a Rússia é um país poderoso e é o futuro", por isso, é o seu "grande desejo fazer parte da Rússia", algo que "esperava a tanto tempo".

Entre hoje e a próxima terça-feira, os territórios ocupados de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporíjia organizam as consultas populares, que não serão reconhecidas por nenhum país que não seja um aliado próximo da Rússia.

Peritos acreditam que o objetivo para o Kremlin é poder classificar ataques na área como ações "contra o solo russo", tentanto legitimar uma resposta militar mais forte.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Prosseguem os "referendos" nas regiões sob ocupação russa

Mobilização parcial leva muitos russos a fugirem do país

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa