EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mundial de Futebol no Qatar "foi um erro", diz Joseph Blatter

Campeonato do Mundo FIFA Qatar 2022
Campeonato do Mundo FIFA Qatar 2022 Direitos de autor JEWEL SAMAD / AFP
Direitos de autor JEWEL SAMAD / AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ex-presidente da FIFA lamenta decisão tomada durante o seu mandato. Embaixador do Campeonato do Mundo de Futebol no Qatar alarma Ocidente com comentários homofóbicos, a poucos dias do início do evento.

PUBLICIDADE

O ex-presidente da FIFA Joseph Blatter admitiu, esta segunda-feira, ao jornal suíço Tages Anzeiger, que a atribuição da organização do Campeonato do Mundo de Futebol ao Qatar "foi um erro". Blatter esteve envolvido na escolha do país arábico para a realização do evento, em 2010, mas agora lamenta a decisão, por considerar que o Qatar "é demasiado pequeno" para o futebol e a prova desportiva. 

Durante a entrevista, o ex-dirigente da FIFA admitiu que as questões relacionadas com direitos humanos não foram tidas em conta pela organização para selecionar o país anfitrião deste ano, mas que os critérios foram alterados em 2012, à luz das preocupações sobre as condições de trabalho nos estaleiros de construção dos estádios no Qatar.

"Desde então, as considerações sociais e os direitos humanos são tidos em conta", afirmou.

Blatter, que esteve à frente da FIFA durante 17 anos, viu o seu mandato manchado por acusações de corrupção. No entanto, em junho deste ano, acabou por ser ilibado de fraude por um tribunal suíço. Os procuradores recorreram da decisão.

Homossexualidade é um "problema mental", diz embaixador

O Campeonato do Mundo vive mergulhado num mar de polémicas desde o início. E, a poucos dias do pontapé de saída, um novo episódio veio acentuar o mal-estar entre os países participantes, com um comentário homofóbico do embaixador do evento e antigo jogador da seleção qatari, Khalid Salman.

"Vamos ter aqui muitas coisas, no Campeonato do Mundo. Por exemplo, os homossexuais. A questão mais importante é que todos vão aceitar que eles venham, mas eles têm de aceitar as nossas regras, aqui. É haram, [proibido]. Por que é que é haram? Eu não sou um grande muçulmano, mas é haram, porque é um problema mental".

Esses comentários são horríveis e essa é também a razão pela qual estamos a trabalhar, para melhorar - assim o esperamos - as coisas no Qatar, no futuro
Nancy Faeser
Ministra do Interior da Alemanha

As observações, proferidas em entrevista à emissora alemã ZDF, começaram por causar uma onda de choque no país germânico. 

A ministra do Interior da Alemanha, Nancy Faeser, assegura que o Qatar lhe deu "garantia de segurança" para os fãs LGBT+.

"O Primeiro-Ministro deu-ma, e não tenho novas indicações por parte dele de que alguma coisa tenha mudado. Claro que esses comentários são horríveis e essa é também a razão pela qual estamos a trabalhar, para melhorar - assim o esperamos - as coisas no Qatar, no futuro", afirmou a ministra.

Ativistas pelos direitos LGBT+ reuniram-se esta terça-feira às portas do Museu da Fifa, na Suíça, para pressionar a organização a defender os direitos da comunidade no Qatar.

Em declaração prestada por e-mail à agência Reuters, a FIFA diz "estar confiante de que todas as medidas necessárias estarão em vigor para que os fãs e aliados LGBTIQ+ possam desfrutar do torneio num ambiente acolhedor e seguro".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jornalista norte-americano morre no Qatar

Problemas de sobrelotação no Qatar

Qatar e FIFA proíbem álcool nos estádios do Mundial e geram receios de outros recuos