EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Produção de porco preto em risco

Montado espanhol de porco ibérico
Montado espanhol de porco ibérico Direitos de autor Michel Euler/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Michel Euler/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alterações climáticas levam à redução da produção de bolota, consequentemente, a criação de porco preto está em risco.

PUBLICIDADE

Os efeitos da seca, em Espanha, estão a pôr em risco a produção de porco preto. O porco ibérico também criado na região portuguesa do Alentejo.

As altas temperaturas e a falta de chuva do último outono reduziram a produção de bolota, o alimento desta raça, entre 20 a 25 %, de acordo com produtores espanhóis da região de Badajoz, o que está a obrigá-los a retardarem o abate.

Rodrigo Cárdeno é um deles e explicava que há "muito menos pasto e bolota este ano", este é um animal que deveria ter cerca de 90 quilos em outubro e janeiro entre 140 e 150 quilos.

A Associação Interprofissional do Porco Ibérico, de Espanha, prevê menos 150 mil porcos ibéricos para abate do que na campanha anterior, o que equivale a cerca de menos 20%. 

Sem alimento foi preciso diminuir o número de animais. Para os produtores a situação é catastrófica. Emilio Muñoz, diretor da "Ilunion Ibéricos de Azuaga" explicava que têm _"_entre 2.000 e 3.000 porcos", uma redução de 15% a 20% em relação ao que tinham "planeado. "As despesas atingiram o mesmo nível que as receitas, é um desastre", desabafava.

Isto significa que o preço do presunto e de outros enchidos de porco preto, por exemplo, que é já por si só elevado,deverá aumentar nos próximos anos.

Outras fontes • TVE

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maurícias em vez de Maiorca? Como as ondas de calor estão a mudar as férias de verão

Milhares de espanhóis gritam "salário ou conflito" para exigir aumentos aos patrões

Inflação leva governo português a gastar 2 400 milhões de euros para ajudar as famílias