EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

EUA pedem aos cidadãos americanos para abandonarem a Rússia

Embaixada dos Estados Unidos da América, na Rússia.
Embaixada dos Estados Unidos da América, na Rússia. Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/AP
Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Embaixada dos Estados Unidos na Rússia pediu aos cidadãos americanos para deixaram o país imediatamente.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos da América pediram aos seus cidadãos para saírem imediatamente da Rússia. Em causa, receios ao nível da segurança, nomeadamente, devido à guerra na Ucrânia e ao risco de prisões arbitrárias ou perseguição por parte das autoridades russas. O pedido foi feito pela Embaixada dos Estados Unidos, em Moscovo.

Os cidadãos americanos, que residam ou estejam em viagem, na Rússia, devem partir imediatamente
Embaixada dos EUA na Rússia

A embaixada acrescentou que deve ter-se “maior cautela devido ao risco de detenções injustas” e instou ainda os cidadãos americanos a não viajarem para a Rússia.

Os Estados Unidos da América já pediram, várias vezes, aos seus cidadãos para deixarem o país em conflito. O último aviso público foi em setembro, depois do Presidente Vladimir Putin ter ordenado uma mobilização parcial.

"Os serviços de segurança russos prenderam cidadãos norte-americanos com base em acusações falsas, isolaram-nos na Rússia para os deter, negaram-lhes um tratamento justo e transparente e condenaram-nos em julgamentos secretos ou sem apresentarem provas credíveis", disse a embaixada.

aplicação de leis locais contra pessoas que têm ligações à religião também têm sido uma constante. "As autoridades russas aplicam arbitrariamente leis locais contra cidadãos americanos que trabalham na área religiosa e abriram, inclusivamente, investigações criminais questionáveis contra norte-americanos que estão envolvidos em atividades religiosas", explica ainda a embaixada.

A Rússia abriu um processo criminal contra um cidadão norte-americano por suspeitas de espionagem, disse o Serviço Federal de Segurança,em janeiro.

Prisioneiros americanos nas prisões russas

Brittney Griner, uma das desportistas mais conhecidas dos EUA, esteve detida numa prisão russa. A basquetebolista só voltou para os Estados Unidos da América, em dezembro. 

A libertação de Griner fez parte de um acordo entre Washington e Moscovo que envolveu também a libertação do traficante de armas Viktor Bout, preso nos EUA. A desportista só saiu da prisão 10 meses após a detenção.

Dmitry Serebryakov/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Brittney Griner, basquetebolista americana, no dia em que saiu da prisão.Dmitry Serebryakov/Copyright 2022 The AP. All rights reserved

O estatuto de Griner como mulher negra e homossexual, a sua proeminência no basquetebol feminino e a sua prisão num país onde as autoridades têm sido hostis relativamente à comunidade LBGTQ aumentaram ainda mais as preocupações em torno do caso, que acabou por se tornar mediático.

Entretanto, outro americano permanece preso na Rússia, uma vez que não fazia parte da troca de prisioneiros de dezembro. Trata-se de Paul Whelan, um antigo fuzileiro americano, que foi detido por suspeitas de espionagem em Moscovo, em 2018, e condenado a 16 anos de prisão.

O Presidente americano, Joe Biden, garantiu que o seu governo "nunca desistirá" de tentar assegurar a libertação de Whelan.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia desvaloriza capacidade russa de lançar ofensiva de grande escala no leste

Ucrânia: Sobreviver à destruição deixada pelas bombas russas

Rússia pressiona para conquistar mais terreno na Ucrânia