EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Morre dirigente da Jihad Islâmica em greve de fome há 87 dias

Disparos a partir de Gaza atingem Israel
Disparos a partir de Gaza atingem Israel Direitos de autor MOHAMMED ABED/AFP
Direitos de autor MOHAMMED ABED/AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grupo terrorista responsabiliza Israel pela morte de dirigente detido. Vários rockets foram disparados de Gaza assim que a notícia foi conhecida

PUBLICIDADE

Morreu esta terça-feira um dirigente da Jihad Islâmica palestinianaKhader Adnan estava estava em greve de fome numa prisão israelita há 87 dias - desde que foi preso, em fevereiro. Tinha 45 anos e foi o primeiro palestiniano a morrer em greve de fome sob custódia israelita.

"Um detido acusado de crimes terroristas e em greve de fome desde 5.2.23, morreu esta manhã", declarou o serviço prisional israelita em comunicado.

A notícia rapidamente chegou a Gaza de onde foram disparados projecteis em direção a Israel. Os rockets terão caído em descampados e não há notícia de vítimas.

A Jihad Islâmica, um grupo considerado terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia, promete que Israel "pagará o preço por este crime".

"O herói livre, Khader Adnan, morreu como mártir de um crime cometido pelo inimigo perante o mundo", declarou o grupo em comunicado.

Khader Adnan, de 45 anos, estava detido em regime de prisão administrativa, uma medida israelita controversa que permite o encarceramento de pessoas sem culpa formada.

Os serviços prisionais israelitas informaram que Adnan estava na prisão pela décima vez e a mulher, Randa Mousa, tinha dito à AFP que o marido tinha feito várias greves de fome durante a detenção.

"Recusa qualquer apoio, recusa os exames médicos, está numa cela com condições de detenção muito difíceis", disse à AFP na semana passada.

Adnan estava a ser mantido na clínica da prisão de Ramla, no centro de Israel, disse Mousa.

"Eles (Israel) recusaram-se a transferi-lo para um hospital civil, recusaram-se a permitir a visita do seu advogado", acrescentou a mulher.

Um médico do grupo Physicians for Human Rights Israel visitou Adnan na prisão no início do ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hamas reivindica atentado mortífero em Jerusalém

Israel ataca mais de 100 alvos do Hamas em Gaza

Israel apresenta alegadas provas de que trabalhador humanitário pertencia à Jihad Islâmica