Por que demora a contraofensiva ucraniana?

Membros de uma unidade de defesa aérea ucraniana perto de Kiev
Membros de uma unidade de defesa aérea ucraniana perto de Kiev Direitos de autor Andrew Kravchenko/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews ouviu vários especialistas militares para tentar perceber por que razão a tão falada contraofensiva ucraniana ainda não começou.

PUBLICIDADE

Desde o final do ano passado, fala-se de uma contraofensiva ucraniana em grande escala. Por razões óbvias de segurança, Kiev obviamente não anunciou datas específicas. Especialistas ocidentais, no entanto, sugeriram que o início da operação seria entre o final de abril e a primeira quinzena de junho.

Mas a tão falada contraofensiva do exército ucraniano demora a começar. O presidente Volodymyr Zelenskyy diz que é preciso "mais algum tempo", que ainda não chegaram todos os equipamentos fornecidos pelos ocidentais.

O chefe de Estado disse que as forças ucranianas estão prontas -algumas unidades foram treinadas no exterior, mas essas brigadas ainda precisariam de equipamentos e armas para evitar grandes perdas.

"Nesta situação, nunca se tem o suficiente. Em termos simples, é sempre melhor ter mais, especialmente munições. Ambos os exércitos estão com falta de tudo. E é possível que as munições sejam atualmente a razão pela qual Zelensky ainda quer esperar antes de arriscar a vida dos seus soldados", afirma Simon Schlegel, analista sénior do International Crisis Group.

O líder ucraniano sublinha que o sucesso da operação e da guerra como um todo será facilitado por toda a ajuda que a Ucrânia receberá.

"Quando a Ucrânia quer armas, não estamos a falar apenas de munição. Estamos a falar de pacotes sérios, não de fantoches, de pacotes sérios e poderosos, porque as sanções também são uma arma. Porque as sanções afetaram a economia russa. Não importa como eles contornem, a produção de armas na Federação Russa desacelerou. É um facto", diz o presidente ucraniano. 

Mas alguns observadores não excluem que a declaração de Volodymyr Zelensky seja, na verdade, um estratagema para fazer Moscovo acreditar num atraso da contraofensiva.

"Temos de entender o que é exatamente uma contraofensiva. Acho que, muitas vezes, as imagens onde todos os tanques estão a avançar são um choque. Mas, na verdade, a própria contraofensiva é um processo de longo prazo. E acredito que a contraofensiva já começou. O que eles estão a tentar fazer é moldar o campo de batalha enquanto empurram as forças russas em diferentes direções. Eles tentam encontrar lacunas, estão a sondar. Eles movem as suas forças", explica Neil Melvin, Diretor dos Estudos de Segurança Internacional do Royal United Services Institute.

Recentemente, o Reino Unido disse que enviaria para a Ucrânia mísseis táticos com alcance de várias centenas de quilómetros: as armas de maior alcance que já forneceu a Kiev.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chefe do grupo Wagner nega ajuda a Kiev

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia

Lisboa juntou-se a milhares de europeus no apoio à Ucrânia dois anos depois da invasão russa