EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Plano do Governo britânico para enviar migrantes para o Ruanda é ilegal

Rishi Sunak
Rishi Sunak Direitos de autor Leon Neal/WPA Rota
Direitos de autor Leon Neal/WPA Rota
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tribunal de Recurso considera que o Ruanda "não é um país terceiro seguro".

PUBLICIDADE

OTribunal de Recurso do Reino Unidotravou os planos do governo de enviar requerentes de asilo para o Ruanda durante o período de avaliação dos processos. O Ruanda concordou em alojar pessoas que estão à espera de uma resposta em centros de acolhimento especiais, mas o tribunal britânico considerou que não se tratava de um país seguro

"As deficiências do sistema de asilo no Ruanda são tais que existem motivos substanciais para acreditar que há um risco real de que as pessoas enviadas sejam devolvidas aos seus países de origem onde enfrentaram perseguição ou outros tratamentos desumanos. Nesse sentido, o Ruanda não é um país terceiro seguro", declarou Lord Burnett, Presidente do Supremo Tribunal do Reino Unido

A decisão é um duro golpe para o governo conservador do primeiro-ministro Rishi Sunak, que prometeu reduzir o número de imigrantes legais e irregulares. Rishi Sunak comprometeu-se a "parar os barcos" - uma referência aos botes sobrelotados e outras pequenas embarcações que fazem a viagem do norte de França transportando migrantes que esperam viver no Reino Unido. Mais de 45.000 pessoas chegaram ao Reino Unido através do Canal da Mancha em 2022, e várias morreram na tentativa.

A proposta de enviar requerentes de asilo para o Ruanda gerou polémica desde o início, mas o governo não desiste e já disse que vai recorrer da decisão para o Supremo Tribunal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desafios que os requerentes de asilo enfrentam na Lituânia

Novo acordo para gestão dos pedidos de asilo na UE

Requerentes de asilo aguardam nas ruas para fazer registo na Bélgica