Sánchez e Feijóo digladiam-se num aceso debate mas com "pouco sumo"

Líderes do PSOE e do PP cumprimentam-se num debate televisivo
Líderes do PSOE e do PP cumprimentam-se num debate televisivo Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Debate aceso entre líderes do PSOE e do PP no caminho para as Legislativas, mas que pouco trouxe aos espanhóis, em termos de propostas para o futuro do país.

PUBLICIDADE

Espanha assistiu, na segunda-feira, a um aceso debate entre os dois principais candidatos à chefia do próximo governo. Durante pouco mais de 100 minutos, o atual líder do executivo e o da oposição interromperam-se, acusaram-se, mutuamente, de mentir e passaram ao lado de questões de fundo. 

Ninguém é perfeito, como reconhecia o socialista. Pedro Sánchez admitia ter cometido "erros", ter tido "problemas" com o seu governo. Mas lembrava ter tido em "mandato muito difícil", devido à pandemia de Covid-19 e, agora, à "guerra" na Ucrânia. O socialista acrescentava ser "um político limpo".

Por seu lado, o conservador Alberto Núñez Feijóo apelava a uma maioria sólida, o que as sondagens não anteveem, e recordava as incoerências do governo de Sánchez ao apoiar-se na extrema-esquerda. O líder do Partido Popular questionava o apoio de Sánchez à Ucrânia enquanto membros da coligação governativa "flirtavam" com Putin.

Já Sánchez relembrou os acordos do Partido Popular com a extrema-direita nas regiões e autarquias. Acordos que serão necessários também a nível nacional, para governar, dizem as sondagens, coisa que o líder do PP não descarta.

Espanha vai a votos, em eleições Legislativas antecipadas, a 23 de julho.

Outras fontes • TVE

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O candidato que quer abolir o "sanchismo"

Alberto Núñez Feijóo é o novo presidente do PP

Rei de Espanha convida Pedro Sánchez a formar governo depois do desaire de Alberto Núñez Feijóo