EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Independência, nostalgia e crise do Estado social: as razões da ascensão do Vox em Espanha

O candidato do partido de extrema-direita espanhol Vox, Santiago Abascal, discursa durante um comício de encerramento da campanha eleitoral em Madrid, Espanha, em novembro de 2019.
O candidato do partido de extrema-direita espanhol Vox, Santiago Abascal, discursa durante um comício de encerramento da campanha eleitoral em Madrid, Espanha, em novembro de 2019. Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.
De  Lucia Riera Bosqued
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em espanhol

Com as sondagens a preverem a vitória do Partido Popular, é mais do que provável um futuro governo que inclua o Vox. O seu crescimento deve-se a vários fatores mas a tentativa de secessão da Catalunha, em 2017, foi um momento-chave

PUBLICIDADE

Desde 2019 que o Vox é a terceira força política no parlamento espanhol e o partido espreita um lugar no governo nas eleições de domingo. Com as sondagens a darem a vitória ao Partido Popular, é bastante provável que o próximo governo espanhol inclua o partido de Santiago Abascal.

"O Partido Popular conseguiu, graças aos seus pactos com o Vox, tornar aceitável uma força que antes era absolutamente marginal e tinha uma espécie de cordão sanitário democrático", afirma a analista política Verónica Fumanal.

A tentativa de secessão da Catalunha, em 2017, fez renascer os sentimentos nacionalistas e representou um momento chave para o Vox, que capitalizou a ameaça ao nacionalismo espanhol.

No ano seguinte o Vox, criado em 2013, começou a colher os frutos nas urnas.

"Todo o processo pró-independência da Catalunha foi vivido em toda a Espanha com um choque emocional muito forte, que fez com que um partido como o Vox se apoiasse nessa emocionalidade, nessa reatividade", recorda Fumanal.

A isto juntou-se a crise do Partido Popular, com os escândalos de corrupção que fizeram cair o governo de Mariano Rajoy, e a chegada ao poder do Partido Socialista, com o apoio da extrema-esquerda e dos partidos independentistas.

"É evidente que o Vox aproveita este facto, porque é aqui que encontramos um dos seus maiores inimigos, o que eles consideram ser a Anti-espanha", explica o historiador e autor de "Far Right 2.0", Steven Forti.

E entre esses inimigos, como descreve Forti, está não só o independentismo, mas "tudo o que está relacionado com a Agenda 2030 das Nações Unidas, os direitos das minorias e o feminismo", que o Vox ataca regularmente nos seus discursos e programa eleitoral.

Mas há outros elementos que os especialistas apontam como fundamentais para a ascensão da extrema-direita em Espanha. Fumanal refere-se à evolução tecnológica que "está a provocar uma nova clivagem, não só entre esquerda e direita, não só entre nacionalistas e não nacionalistas, mas também, por exemplo, entre rural e urbano".

É alimentada pelo "medo do desconhecido", que "tem sempre um movimento nostálgico por trás", e pela má situação socioeconómica. "A ascensão social foi posta em quarentena", salienta Fumanal. "Hoje, um jovem mais instruído do que os seus pais não tem a garantia de viver melhor do que eles. Este contrato social é o que permite às forças populistas envolverem-se e ligarem-se também aos jovens".

Bernat Armangue/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Una pancarta insta a la gente a votar en contra de la posible alianza entre el Partido Popular y Vox, el partido de extrema derecha, en Madrid, España, 15 de julio de 2023.Bernat Armangue/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Um discurso populista "caiado de branco"

"Todos os discursos de sucesso têm pequenas ligações com a realidade", explica Fumanal. Assim, o Vox aproveita erros como a lei do "só sim é sim", que permitiu a redução das penas dos agressores sexuais, e pode fazê-lo com toda a liberdade, segundo o analista político, porque "o populismo não tem limites éticos ou morais, nem qualquer compromisso com a verdade".

Esta comunicação política é feita através de "canais de be to be que não são controlados, gerando comunidades estanques que não têm vergonha, comunidades que se alimentam umas das outras e que são cada vez maiores porque não têm o elemento de contraste". O seu objetivo, nas palavras de Fumanal, é "inocular, não informar".

O processo de implantação destes discursos extremistas em Espanha foi gradual e teve a ver com a aprovação da direita tradicional.

"É claro que o Vox foi branqueado. Não foi só depois das eleições na Andaluzia", defende Steven Forti. Para o historiador, o ponto de viragem na atitude do PP foi a sua presença, juntamente com o Ciudadanos e o Vox, numa manifestação conjunta na Plaza Colón, em Madrid, contra o Governo de Pedro Sánchez, a que chamaram "Frankenstein".

"A Espanha nunca teve aquilo a que se chama um cordão sanitário ou um cartão democrático face às forças de extrema-direita", salienta Forti. Algo que se materializou após as eleições municipais e regionais de 28 de maio de 2023, com os pactos de governo entre o PP e o Vox.

O partido de Alberto Núñez Feijóo assinou pactos de governabilidade em coligação com o Vox em 135 câmaras municipais de toda a Espanha que "compram em grande parte alguns dos pontos programáticos do Vox".

Para a consideração da extrema-direita e da sua ideologia como algo "democraticamente aceitável", diz Fumanal, também contribuíram alguns meios de comunicação social, "porque há certos poderes que consideram que a direita tem de chegar, e para o Partido Popular chegar, neste momento, precisa de um trampolim, que é o Vox".

A vaga extremista europeia

A Espanha não escapou a uma vaga de extrema-direita que é global, tanto na Europa como nos Estados Unidos, e que, segundo Steven Forti, responde ao aumento das desigualdades socioeconómicas, à chamada "reação cultural" às mudanças sociais ou à imigração e à crise das democracias liberais. Os "firewalls" contra os discursos extremistas entraram em colapso nas últimas décadas, e o descontentamento com a democracia contribuiu para que um discurso que explora o medo se impusesse.

PUBLICIDADE

Na perspetiva das eleições europeias de junho de 2024, a UE teme os efeitos de um governo do PP com o Vox em Espanha. Isso, segundo Forti, para além de reforçar a vaga ultra-conservadora que o velho continente está a viver desde as eleições em Itália, na Suécia, na Finlândia e na Grécia, "colocaria em cima da mesa a possibilidade de uma futura aliança, após as próximas eleições europeias, entre o Partido Popular Europeu e os conservadores e reformistas europeus".

"A extrema-direita reposicionou-se, pelo que nenhum deles está a falar de Brexit, Frexit ou Italexit. No entanto, nenhum deles é a favor de uma maior integração europeia", acrescenta o autor de "Far Right 2.0". O Vox, tal como o partido da primeira-ministra italiana Giorgia Meloni, defende o fim da integração europeia e a recuperação da soberania nacional.

Mas até onde é que esta onda extremista pode continuar a crescer? Para Verónica Fumanal, ficou demonstrado que, quando estes partidos chegam ao poder, não se concentram nas questões que afectam os cidadãos. "É uma guerra de identidade, não ideológica", diz. "Por isso, quando governaram, não repetiram. Trump não repetiu, Bolsonaro não repetiu, vamos ver se Meloni repete. E só em países onde estas crenças estão realmente enraizadas na sociedade, como a Polónia e a Hungria, é que governos como este resistem".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha: Fundador do VOX baleado numa rua de Madrid, polícia procura autor do disparo

"Eles saíram do armário de ódio". A ascensão da extrema-direita mina os direitos LGBTQI+ na Europa

Análise: Eleições antecipadas em Espanha enfraquecerão papel na UE?