EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Atenção aos militares domina campanha eleitoral na Polónia

O presidente da Polónia, Andrzej Duda, cumprimenta as tropas no grande desfile militar em Varsóvia, Polónia, 15 de agosto de 2023.
O presidente da Polónia, Andrzej Duda, cumprimenta as tropas no grande desfile militar em Varsóvia, Polónia, 15 de agosto de 2023. Direitos de autor AP Photo/Czarek Sokolowski
Direitos de autor AP Photo/Czarek Sokolowski
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A questão militar tornou-se um dos grandes temas na Polónia. Será que se deve a uma ameaça real ou será aproveitamento político? As opiniões dividem-se.

PUBLICIDADE

Recentemente, na Polónia, a presença dos militares no espaço público e no debate aumentou significativamente. Os políticos vestem camisas verdes, visitam fronteiras e bases militares. Este ano, as comemorações do Dia do Exército duraram vários dias e terminaram com um grande desfile militar em Varsóvia (os especialistas estimam que foi o Dia do Exército mais caro da história polaca).

O militar tornou-se um dos temas mais importantes do país. As opiniões estão divididas sobre se isso se deve a uma ameaça real à segurança ou fará apenas parte da campanha política para as próximas eleições parlamentares de 15 de outubro.

"Se você quer paz, prepare-se para a guerra. Na medida em que as capacidades financeiras e humanas o permitam, que também devem ser levadas em conta, precisamos ter sempre em mente a defesa. A defesa é a modernidade do exército," afirma um dos polacos presentes no desfile do Dia do Exército. em Varsóvia.

As opiniões dos especialistas estão divididas: alguns dizem que a presença do Exército na vida pública é justificada e as reações das autoridades são adequadas.

 "No ranking de confiança social, [o exército] ocupa o segundo lugar. Além disso, a eclosão da guerra na Ucrânia faz com que os cidadãos observem a situação com grande preocupação. E aqui [na Polónia] as medidas apropriadas foram tomadas.Afinal, combatentes do grupo Wagner estão na Bielorrússia, eles estão a pressionar as fronteiras e esperamos todo tipo de incidentes, inclusive de natureza militar. Portanto, o Governo não pode ignorá-lo," considera a especialista em segurança da Universidade de Varsóvia, Beata Gorka-Winter.

Outros especialistas consideram que o Exército e as tensões na região são usados para fins políticos internos.

"Estamos lidando com um uso de campanha política e eleitoral da ameaça real - isso é usar o exército e jogar como apenas este governo, por construindo o exército, irá garantir a segurança. Em torno disso se faz política, mas isso não tem nada a ver com segurança, é para ajudar as autoridades a manter o poder, embora, quanto à constituição, não deva ser assim - o exército deve ser apolítico, e é muito claro politizado," explica o especialista em segurança do Kolegium Nowa Europa Wschodnia, Stratpoints, Jaroslaw Kociszewski.

Quem não foi ao desfile militar aponta para o caráter político deste.

"Os organizadores, ou seja, o governo, o Presidente, certamente não são aqueles que estão próximos de mim e tento distanciar-me das suas decisões. Assisti ao discurso do Presidente e do ministro da Defesa, e foi muito político, muito "como no programa eleitoral". Houve o "cuspir" na oposição e nas suas ações. Isso não é a Polónia que eu desejo," considera um habitante de Varsóvia.

"A Polónia é um país fortemente polarizado. Quando se trata de militares, apesar das opiniões divididas, as Forças Armadas vão continuar a ser um tema importante da campanha eleitoral", exclarece a correspondente da Euronews em Varsóvia, Magdalena Chodownik.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tensão na região e no país influenciam campanha eleitoral polaca

Polónia reforça policiamento na fronteira com a Bielorrússia por temer outra crise migratória

Sob a sombra da guerra, Polónia marca data das eleições Legislativas