EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rússia recusa acusação de genocídio na Ucrânia em tribunal da ONU

Tribunal Internacional de Justiça, em Haia
Tribunal Internacional de Justiça, em Haia Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia rejeitou, esta segunda-feira, a acusação de genocídio apresentada pela Ucrânia ao Tribunal Internacional de Justiça (TIJ). Órgão da ONU ainda está a avaliar a jurisdição na matéria.

PUBLICIDADE

Moscovo alega que a invasão de 24 de fevereiro do ano passado foi a resposta de Vladimir Putin a "intimidação e genocídio por parte do regime de Kiev" ao povo pró-Rússia no leste da Ucrânia.

O representante da Rússia, Gennady Kuzmin, tentou ainda provar no TIJ a ameaça representada pelos que diz serem os "neo-nazis" de Kiev.

"Quanto às expressões de preocupação relativamente à ameaça de genocídio, não foram surpreendentes, considerando as políticas do regime de Kiev, que estavam firmemente enraizadas na história, nas doutrinas e nas práticas do nazismo", afirmou.

Dois dias após a invasão, a Ucrânia entrou com uma ação em Haia onde defende que a ofensiva militar russa representa uma violação da Convenção das Nações Unidas sobre Genocídio, assinada em 1948.

O Kremlin nega, no entanto, que o tribunal tenha jurisdição sobre o caso. Moscovo considera as alegações de Kiev fora do âmbito da Convenção da ONU.

Já em março de 2022, o Tribunal Internacional de Justiça tinha apoiado a Ucrânia, ao ordenar à Rússia que "suspendesse imediatamente" a sua ação militar. Mas o acórdão foi considerado uma "decisão preliminar", uma vez que ainda não está determinado se o tribunal tem competência para decidir sobre esta matéria.

As primeiras audições, que terminam a 27 de setembro, terão apenas a finalidade de avaliar a jurisdição do TIJ, cujas decisões, apesar de vinculativas, nem sempre têm sido aplicadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apela a união contra "a agressão russa" na ONU

Lula abre a assembleia-geral da ONU antes do frente-a-frente com Zelenskyy

Lviv sob ataque de drones horas após anúncio de novo pacote de ajuda alemã