EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Ele veio com uma tocha acesa": Ameaças obrigam um em cada quatro políticos neerlandeses a pedir proteção

Sigrid Kaag, membro do partido Democratas 66 (D66) e Ministra das Finanças dos Países Baixos, chega ao Ministério dos Assuntos Gerais.
Sigrid Kaag, membro do partido Democratas 66 (D66) e Ministra das Finanças dos Países Baixos, chega ao Ministério dos Assuntos Gerais. Direitos de autor REMKO DE WAAL/AFP
Direitos de autor REMKO DE WAAL/AFP
De  Laura Llach
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um em cada quatro deputados neerlandeses precisa de proteção contra ameaças. Depois das recentes demissões de políticos, estará a democracia neerlandesa em perigo?

PUBLICIDADE

Depois de se ter tornado a primeira mulher a ser ministra das Finanças na história dos Países Baixos, Sigrid Kaag está a abandonar a política.

Ao longo dos últimos 20 meses, a atual vice-primeira-ministra do país recebeu muitas ameaças de morte, mas o momento mais assustador ocorreu em janeiro passado, quando um homem chamado Max van den B. apareceu em sua casa a gritar e a acenar com uma tocha em chamas.

A sua família, incluindo os seus filhos pequenos, estava em casa enquanto o homem transmitia o incidente em direto nas redes sociais.

Kaag não é personalidade política do país a sofrer a ira dos eleitores, nomeadamente nas redes sociais, com dezenas de deputados a enfrentar situações semelhantes.

De acordo com o programa de investigação holandês Zembla, pelo menos 41 deputados - mais de um quarto dos 150 membros do parlamento - vivem com alguma forma de proteção devido às ameaças que recebem.

BART MAAT/AFP
Sigrid Kaag, ministra das Finanças dos Países Baixos, à chegada a um Conselho de Ministros extraordinário em Haia.BART MAAT/AFP

"A minha família é a minha prioridade"

Kaag entrou na cena política em 2017 como uma estrela em ascensão, e muitos pensaram que ela poderia tornar-se a primeira mulher primeira-ministra do país, mas decidiu desistir de tudo após meses de deliberação.

"O impacto é enorme quando alguém chega a nossa casa com uma tocha acesa, porque não sabemos o que vai acontecer e a segurança da nossa família é obviamente a maior prioridade", disse Kaag à Euronews.

"Mas esta não foi a razão pela qual deixei a política holandesa. Para mim foi difícil, mas suportável. Para a minha família foi diferente. Ouço-os sempre e a sua opinião conta mais do que qualquer outra coisa no mundo", acrescentou.

A pressão sobre a família foi tão grande que a ministra das Finanças anunciou que só se manteria no cargo até às eleições legislativas antecipadas de novembro.

Kaag também não voltará a liderar o D66, o partido de esquerda que ajudou a lançar a sua carreira política.

"Trabalhei internacionalmente durante três décadas a um nível elevado. Trabalhei muitas vezes em países em crise ou em conflito. Quando regressei, não esperava precisar do tipo de medidas de segurança de que necessitava apenas para servir o meu país, um país democrático e seguro", afirmou.

Embora a ministra não especifique o tipo de proteção que recebe, as medidas aplicadas a outros políticos holandeses vão desde guarda-costas à proteção dos seus dados pessoais e à instalação de campainhas de emergência nas suas casas.

"Nos últimos anos, o número de ameaças tem, de facto, aumentado rapidamente. Em 2021, a unidade policial competente recebeu 588 casos, em comparação com 1125 em 2022", disse Linda Bos, professora de Comunicação Política na Universidade de Amesterdão, à Euronews.

Um dos colegas de partido de Kaag, Jan Paternotte, disse aos jornalistas que quando uma nova ama começa a trabalhar lá em casa, "digo-lhe onde está o fraldário, onde estão as fraldas, mas também onde está a campainha de emergência".

BART MAAT/AFP or Licensors
A ministra das Finanças dos Países Baixos e líder do partido liberal D66, Sigrid Kaag, chega ao centro comunitário de Benoordenhuis para votar nas eleições municipais.BART MAAT/AFP or Licensors

A 'elite do mal'

O problema nos Países Baixos é estrutural e, no caso das mulheres políticas, a misoginia desempenha um papel importante.

São atacadas mais pela sua idade e género do que pelo conteúdo das suas políticas.

Em 2021, Kaag foi a deputada que recebeu mais mensagens de ódio no Parlamento neerlandês, de acordo com um estudo da Universidade de Utrecht: uma média de 22% das mensagens recebidas, em comparação com 10% das outras colegas.

"Para mim, pessoalmente, o facto de ser uma mulher a liderar um partido progressista veio alimentar o fogo, pelo menos para algumas pessoas", disse a ministra à Euronews.

PUBLICIDADE

"O que não ajuda é o facto de as redes sociais desempenharem um papel muito negativo nestes tempos. Especialmente depois da Covid, vemos que as teorias da conspiração estão por todo o lado. Isto cria uma sociedade onde as tensões estão a ferver à superfície", acrescentou.

As consequências de um clima político extremamente polarizado estão a ser sentidas enquanto o país tenta contê-las.

"As ameaças são dirigidas a políticos de diferentes quadrantes do espetro político e o número de casos que constituem infrações penais aumentou. Além disso, muitas ameaças vêm do estrangeiro e através das redes sociais, o que torna difícil processar o autor", disse o professor de comunicação política.

Em 2022, os serviços secretos neerlandeses elaboraram um relatório no qual apontavam para grupos que defendem a tese da existência de uma "elite do mal" - inimiga do povo.

Traçaram um perfil claro destes grupos: maioritariamente jovens do sexo masculino, residentes no país e no estrangeiro, que desenvolvem teorias da conspiração nas redes sociais e chegam a glorificar a violência.

PUBLICIDADE

Esta polarização da sociedade teve um impacto no parlamento.

"Há mais partidos no parlamento do que nunca (21), da extrema-esquerda à extrema-direita, e esses extremos basicamente odeiam-se", diz Bas Batelaan, sócio-gerente da Public Matters - uma consultora neerlandesa de assuntos públicos.

"Quando eu era jovem, era frequente haver dois grandes partidos que formavam governos de coligação e agora são precisos pelo menos quatro partidos para formar uma coligação", acrescenta.

REMKO DE WAAL/AFP
A líder dos Democratas 66 (D66), Sigrid Kaag, a falar com a imprensa, em HaiaREMKO DE WAAL/AFP

As ameaças estão a prejudicar a democracia neerlandesa?

As ameaças e intimidações em curso foram descritas por vários políticos neerlandeses como um "ataque direto à democracia" no país.

"Temos de ter cuidado. A democracia é vulnerável e não devemos tomá-la como garantida; não devemos ser ingénuos em relação às potenciais ameaças", afirmou a ministra das Finanças.

PUBLICIDADE

Num inquérito recente realizado pela organização noticiosa NOS, muitos políticos admitiram que já não publicam determinadas opiniões nas redes sociais e que pensariam duas vezes antes de confrontar políticos de extrema-direita no Parlamento, por receio das consequências.

"Receio que os políticos se tornem menos propensos a falar em casos específicos por medo de retaliação. Isto também é suscetível de ter um impacto sobre as ambições dos aspirantes a políticos", diz Bos.

Batelaan concorda com o professor de comunicação política: "As pessoas têm medo de falar, pensam duas vezes antes de o fazer porque veem todos os riscos. É um ambiente cada vez mais tóxico".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Frans Timmermans quer liderar governo dos Países Baixos

Eleições legislativas nos Países Baixos marcadas para 22 de novembro

Novo governo dos Países Baixos promete política de asilo "mais rigorosa de sempre"