EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Primeiras deportações de Berlim para Auschwitz aconteceram há 82 anos

Homenagem aos judeus enviados para Auschwitz, em Berlim
Homenagem aos judeus enviados para Auschwitz, em Berlim Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No meio de uma guerra entre Israel e o Hamas, Berlim marca os 82 anos passados sobre as primeiras deportações de judeus para Auschwitz.

PUBLICIDADE

A estação de comboios de onde os judeus foram deportados, pela primeira vez, pelos nazis tornou-se num local de encontro e recordação. 

Na quarta-feira assinalou-se o 82º aniversário do início deste momento trágico da história, em Berlim.

Este ano, e na sequência da guerra entre Israel e o Hamas, a perda de vidas humanas voltou a sentir-se de forma ainda mais pesada.

Junto à gare, Konrad Kutt criou um memorial, uma pequena biblioteca com obras sobre o Holocausto destruída por um incêndio. Konrad espera que a destruição, provocada pelo fogo, que se acredita ter sido posto, seja uma lição para as próximas gerações: "Eles veem esta biblioteca incendiada e isso não é esquecido, não é permitido esquecer isto", desabafava. À euronews explicava que a estação tem atraído muitos judeus que querem saber mais sobre a história da sua família.

Lembrar para não esquecer

Por toda a cidade, um grupo de ativistas procedeu à limpeza dos memoriais que marcam os locais onde viveram os judeus que foram deportados e mortos pelos nazis. São conhecidos como "Stolpersteine" ou pedras de tropeço colocadas, primeiramente, na Alemanha. Atualmente, podem ser encontradas em toda a Europa.

Uma das correspondente da euronews em Berlim, Kristina Jovanovski, explicava que, hoje, "os blocos marcam os nomes de outras vítimas, entre elas membros da comunidade LGBT".

A ascensão da extrema-direita na Europa é outro dos motivos, diz uma ativista alemã, para recordar este episódio negro da Alemanha e de outros países europeus.

Renate Christians, da "Omas Gegen Rechts", grupo de avós contra a direita e a extrema-direita, como se auto-intitulam, afirmava que é precos "pensar" no como e no porquê e dizer, ""nunca mais". E nós estamos a defender o "nunca mais", e é por isso que estamos a fazer isto, para que as pessoas à nossa volta se apercebam que temos de cuidar da nossa democracia", frisava Renate.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Berlim pinta-se de laranja antes do jogo dos Países Baixos frente à Áustria

No Museu da Comida Nojenta em Berlim há iguarias para (mesmo) todos os gostos

Detido na Alemanha um dos três membros da Fação do Exército Vermelho