EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Novas manifestações na Europa motivadas pelo conflito no Médio Oriente

Manifestação pró-palestiniana em Espanha
Manifestação pró-palestiniana em Espanha Direitos de autor /Euronews
Direitos de autor /Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vários países europeus voltaram a ser palco de manifestações antissemitas e em solidariedade com os palestinianos

PUBLICIDADE

Mais de 100 mil pessoas desfilaram em Londres numa manifestação contra o antissemitismo.

A marcha surge um dia depois de uma grande manifestação pró-palestiniana a pedir um cessar-fogo total na guerra entre Israel e o Hamas.

O Reino Unido registou um aumento dos incidentes anti-semitas desde o ataque do Hamas a Israel, a 7 de outubro, que desencadeou o conflito na Faixa de Gaza.

Uma manistante afirmava: "Quero apoiar Israel, quero ver os reféns libertados em Gaza. Mas também sou uma judia britânica orgulhosa. Adoro viver neste país e quero que seja um sítio seguro para todos os judeus."

Outra dizia: "Tem havido muitos ataques e intimidações na sequência dos acontecimentos recentes. E é bom mostrar que toda a gente no Reino Unido apoia os judeus e que não estamos sozinhos."

Entretanto, em Espanha, centenas de manifestantes em Barcelona e Mérida marcharam em solidariedade com os palestinianos e para pedir o prolongamento do cessar-fogo de quatro dias na Faixa de Gaza, primeira interrupção dos combates desde o início do conflito que fez milhares de mortos civis.

"A Palestina está a ser massacrada mais uma vez pelo Estado de Israel. Em pouco mais de dois meses, mais de 15.000 pessoas foram mortas, entre elas crianças", afirmava uma manifestante.

Outro dizia: "Como seres humanos temos de ter uma resposta porque esta situação é insuportável".

Israel prometeu destruir os militantes do Hamas que controlam a Faixa de Gaza, mas afirmou que a trégua temporária poderia ser alargada se o grupo palestiniano continuasse a libertar pelo menos 10 reféns por dia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque ao campo de al-Mawasi, Netanyahu: "Não há certezas sobre a morte de Deif"

Trabalhadores recuperam 60 corpos dos escombros de dois bairros destruídos em Gaza

Hamas avisa que avanços de Israel em Gaza põem em risco negociações de cessar-fogo