Ofensiva israelita avança para sul de Gaza: Há combates em Khan Younis

Famílias palestinianas em fuga antes dos bombardeamentos israelitas
Famílias palestinianas em fuga antes dos bombardeamentos israelitas Direitos de autor Hatem Ali/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Ministério da Saúde palestiniano diz que várias centenas de pessoas foram mortas desde o fim das tréguas da semana passada.

PUBLICIDADE

Israel intensificou os bombardeamentos terrestres e aéreos em Khan Younis, na Faixa de Gaza. As vítimas e outras pessoas que fugiam dos combates deram entrada no Hospital Nasser, no sul da cidade. 

As Forças de Defesa Israelitas (FDI) também atacaram a zona de Jabaliya, em Gaza,  depois de avisarem os civis para fugirem mais para sul. Muitos deles já tinham sido forçados a abandonar as suas casas no norte, e as ONG dizem que não há nenhum sítio seguro para onde as pessoas possam ir. 

Sob pressão dos EUA, para evitar mais baixas em massa no conflito, Israel diz que está a ser mais preciso à medida que alarga a sua ofensiva ao sul de Gaza, mas os palestinianos dizem que não há áreas onde se sintam seguros e muitos temem que, se deixarem as suas casas, nunca mais possam regressar.

Fotos de satélite de domingo mostraram cerca de 150 tanques israelitas, veículos blindados e outros veículos a pouco menos de seis quilómetros a norte do coração da cidade de Bani Suheila.

Os militantes palestinianos continuam a lutar rua a rua, como um vídeo da Jihad Islâmica pretende mostrar. As FDI dizem que muitos dos seus soldados morreram em combate desde o início da ofensiva terrestre.

O exército israelita também diz que está a combater no solo em Khan Younis. Os militares afirmam que envidam todos os esforços para poupar os civis e acusam o Hamas de os utilizar como escudos humanos, uma vez que os militantes combatem em zonas residenciais densas, onde possuem labirintos de túneis, bunkers, lança-foguetes e ninhos de atiradores furtivos.

Ao mesmo tempo, o Hamas continua a disparar foguetes contra Israel, com a cidade de Ashkelon entre os últimos alvos. Foi o brutal ataque do Hamas a Israel, que matou pelo menos 1.200 pessoas, que espoletou o conflito. O movimento islâmico continua a manter sequestrados mais de uma centena de reféns.

O Ministério da Saúde do governo do Hamas afirmou que o número de mortos no território desde 7 de outubro ultrapassou as 15.890 pessoas - 70% das quais mulheres e crianças - com mais de 42.000 feridos

O ministério, que não faz distinção entre mortes de civis e de combatentes, diz que centenas de pessoas foram mortas ou feridas desde o fim do cessar-fogo e que muitas ainda estão presas debaixo dos escombros.

Um oficial do exército israelita apresentou um número semelhante para o número de mortos em Gaza na segunda-feira, após semanas em que os oficiais israelitas lançaram dúvidas sobre a contagem do ministério. O oficial disse que pelo menos 15.000 pessoas foram mortas, incluindo 5.000 militantes, sem dizer como o exército chegou aos seus números. O exército diz que 86 dos seus soldados foram mortos na ofensiva em Gaza.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse na segunda-feira que era demasiado cedo para julgar as operações israelitas, mas que não era habitual que um exército moderno identificasse áreas precisas de manobras terrestres previstas e pedisse às pessoas que se retirassem, como Israel fez em Khan Younis.

A zona que Israel mandou evacuar albergava cerca de 117.000 pessoas e alberga agora também mais de 50.000 pessoas deslocadas do norte, que vivem em 21 abrigos, informou a ONU. Não se sabia quantos estavam a fugir.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guterres diz que rejeição israelita da solução dos dois Estados é "inaceitável"

Israel ataca processo movido pela África do Sul como "hipocrisia"

EUA garantem continuação do apoio a Israel apesar das mortes de civis