Países unem-se para trazer de volta crianças ucranianas deportadas ilegalmente

Crianças brincam num parque numa cidade modular para refugiados de regiões ucranianas atingidas pela guerra, em Lviv, na Ucrânia, em fevereiro.
Crianças brincam num parque numa cidade modular para refugiados de regiões ucranianas atingidas pela guerra, em Lviv, na Ucrânia, em fevereiro. Direitos de autor Mykola Tys/2023
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

De acordo com dados oficiais da Ucrânia, pelo menos 19.500 crianças foram deportadas ilegalmente para a Rússia.

PUBLICIDADE

A primeira reunião da coligação internacional para o regresso de crianças ucranianas ocorreu esta sexta-feira, em Kiev.

De acordo com dados oficiais da Ucrânia, pelo menos 19.500 jovens foram deportados ilegalmente para a Rússia. Até o momento, já regressaram 387.

Os países na Coligação prometeram realizar todos os esforços possíveis não só para trazer as crianças ucranianas de volta, mas também as apoiar na readaptação, desconstruir o que lhes foi incutido pela propaganda russa e assegurar que os responsáveis russos não escapam à justiça.

"A Rússia está deliberadamente a tentar destruir qualquer ligação das crianças com a Ucrânia, com os seus próximos, com os seus familiares", disse Volodymyr Zelenskyy, presidente ucraniano.

"As crianças aprendem mentiras sobre a Ucrânia e sobre a guerra. São entregues para adoção ilegal, mesmo quando elas próprias dizem que têm família aqui na Ucrânia", acrescentou.

A deportação ilegal de crianças ucranianas é precisamente o crime pelo qual o presidente russo Vladimir Putin é procurado pelo Tribunal Penal Internacional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas fogem de territórios ocupados pela Rússia

Zelenskyy espera que negociações de adesão da Ucrânia à UE comecem até ao final do ano

EUA: senadores republicanos bloqueiam ajuda de emergência à Ucrânia