EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

100 mortos e 200 desaparecidos no terramoto no Japão

Wajima e Suzu são as cidades mais afetadas
Wajima e Suzu são as cidades mais afetadas Direitos de autor Kyodo News via AP
Direitos de autor Kyodo News via AP
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A esperança de encontrar sobreviventes começa a desvanecer-se, mas ainda acontecem milagres.

PUBLICIDADE

Foi um momento de alegria para os trabalhadores de emergência no Japão quando salvaram a vida de uma mulher idosa, 72 horas após o terramoto de segunda-feira ter destruído a casa onde vivia.

Mas as esperanças de encontrar outros sobreviventes estão a desvanecer-se. O número de mortos subiu para 100 à medida que o fim de semana se aproxima, com mais de 200 pessoas ainda por encontrar.

As autoridades de Ishikawa informaram que 55 das pessoas que morreram estavam na cidade de Wajima e 23 em Suzu, enquanto as outras foram registadas em cinco cidades vizinhas. Mais de 460 pessoas ficaram feridas, das quais pelo menos 24 em estado grave.

O Instituto de Investigação de Terramotos da Universidade de Tóquio verificou que a costa arenosa da parte ocidental do Japão se deslocou até 250 metros em relação ao mar em alguns locais.

Os terramotos provocaram um grande incêndio na cidade de Wajima, bem como tsunamis e deslizamentos de terras na região. Com algumas rotas cortadas pela destruição, aumentaram as preocupações com as comunidades às quais ainda não tinha chegado água, alimentos, cobertores e medicamentos.

Estrela do basebol oferece ajuda

Os Estados Unidos anunciaram uma ajuda de 100.000 dólares na sexta-feira, incluindo cobertores, água e material médico, e prometeram mais ajuda. A equipa de basebol Los Angeles Dodgers irá doar um milhão de dólares,em cooperação com a Guggenheim Baseball e com o jogador japonês Shohei Ohtani, que também contribui individualmente.

Milhares de soldados japoneses juntaram-se aos esforços para chegar aos pontos mais afetados da península de Noto, o centro do terramoto, ligado por uma estreita faixa de terra ao resto da ilha principal de Honshu.

Os especialistas alertaram para a possibilidade de doenças e mesmo de morte nos centros de evacuação que albergam atualmente cerca de 34.000 pessoas que perderam as suas casas, muitas delas idosas. 

Os esforços de salvamento continuam em Wajima e Suzu, as duas principais cidades mais afetadas. O trabalho é delicado e perigoso. As réplicas ou mesmo tsunamis são uma ameaça persistente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sobe para 55 o número de mortos no sismo que atingiu o centro do Japão

A alma do Japão embrulhada num bolinho de arroz e algas marinhas

Sismo no Japão faz nove feridos