Forças ucranianas lançam novos ataques a alvos russos na Crimeia e em Belgorod

Soldados russos durante uma patrulha no Mar Negro
Soldados russos durante uma patrulha no Mar Negro Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Ucrânia lançou novos ataques com drones e mísseis na Crimeia ocupada e em Belgorod, como parte da sua estratégia para o novo ano.

PUBLICIDADE

As defesas aéreas russas abateram dezenas de drones ucranianos na Crimeia ocupada e no sul da Rússia esta sexta-feira, numa altura em que a Ucrânia tem em marcha uma estratégia para atacar a península anexada por Moscovo.

Na cidade russa de Belgorod, junto à fronteira ucraniana, duas pessoas ficaram feridas por estilhaços, disse o governador regional.

Quase 100 casas e apartamentos foram atingidos, bem como algumas dezenas de carros.

No último sábado, um bombardeamento em Belgorod matou 25 pessoas, incluindo cinco crianças, num dos ataques mais mortais em solo russo desde o início da guerra.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, prometeu atingir mais alvos na Península da Crimeia e dentro das regiões fronteiriças russas este ano.

O objetivo passa por perturbar a Rússia, numa altura em que Vladimir Putin procura a reeleição na presidência a 17 de março.

Os russos atingiram uma cidade ucraniana na região de Donetsk, no leste do país, com seis mísseis.

O ataque causou danos em habitações e edifícios públicos. Não há eletricidade ou abastecimento de água em algumas partes da cidade.

De acordo com as autoridades ucranianas, no total, os russos atingiram seis localidades na região de Donetsk. Duas pessoas morreram e outras duas ficaram feridas em resultado desses ataques.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vários edifícios danificados após ataque de drones russos em Dnipro

Comissão eleitoral russa aprova dois candidatos para enfrentarem Putin nas presidenciais

Greve na Lufthansa afeta 100 mil passageiros