Macron quer uma França "mais forte" num contexto de contestação da extrema-direita

O Presidente francês Emmanuel Macron, terça-feira, 16 de janeiro de 2024, no Palácio do Eliseu, em Paris.
O Presidente francês Emmanuel Macron, terça-feira, 16 de janeiro de 2024, no Palácio do Eliseu, em Paris. Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O presidente centrista defendeu uma série de políticas, incluindo reduções de impostos para a classe média e a aprendizagem do hino nacional pelas crianças.

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron prometeu uma "França mais forte" durante uma conferência de imprensa de duas horas, numa altura em que o Rally Nacional, de extrema-direita, cresce nas sondagens.

O Presidente francês fez questão de mostrar que a sua liderança está firmemente centrada na lei e na ordem, na migração e na educação.

A série de reformas de Macron começaria com um projeto de lei económica destinado a impulsionar o crescimento e a redução de impostos para a classe média.

Mas também defendeu a regulação do tempo de ecrã das crianças, uniformes nas escolas públicas e a aprendizagem do hino nacional desde tenra idade.

O centrista de 46 anos prometeu "audácia, ação, eficiência" nos últimos três anos da sua presidência, já marcada pela controvérsia.

A França vai continuar a ser a França

O discurso de Macron foi visto pelos observadores como parte de uma tentativa de reforçar o seu legado e desafiar o domínio do Rally Nacional de extrema-direita de Marine Le Pen, antes das eleições europeias.

O Presidente da República está a tentar ultrapassar as polémicas alterações às pensões de reforma do ano passado e as recentes leis de imigração, que, segundo alguns, mostraram que Macron estava a ceder à extrema-direita.

Macron denunciou o Rally Nacional como "o partido das mentiras" perante os jornalistas.

Macron alertou para a "zona de perigo", uma vez que os eleitores europeus estão a escolher cada vez mais a extrema-direita.

"Basicamente, o Rally Nacional tornou-se o partido da raiva fácil", acrescentou Macron. "Não nos vamos habituar a isso".

Macron prometeu que os seus planos são para que "a França continue a ser a França".

A journalist takes a photograph of French President Emmanuel Macron Tuesday, Jan. 16, 2024 at the Elysee Palace in Paris.
A journalist takes a photograph of French President Emmanuel Macron Tuesday, Jan. 16, 2024 at the Elysee Palace in Paris.Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

Temos de abordar as questões que "fazem com que as pessoas votem neles", disse, incluindo o combate ao desemprego e um melhor controlo da imigração.

Os eleitores com rendimentos médios-baixos foram os alvos do seu discurso, que também prometeu impulsionar as empresas através da redução da burocracia.

O candidato explicou ainda como irá preservar o sistema de saúde francês, que se encontra em dificuldades, e acelerar as mudanças nas escolas. Defendeu a adoção de uniformes nas escolas públicas, a aprendizagem do hino nacional desde tenra idade e a expansão de um período de formação de duas semanas nas escolas secundárias para promover os valores franceses e encorajar os jovens a contribuir para a comunidade.

Sem maioria no parlamento, Macron sugeriu que muitas das mudanças poderiam ser implementadas sem a aprovação de novas leis.

A França na cena mundial

"Ainda tenho três anos e meio de mandato", disse Macron, descrevendo a sua ambição de mudar a vida quotidiana dos franceses e de enfrentar as crises mundiais.

Prometeu tornar a França "mais forte" para enfrentar as crises mundiais, anunciando planos para enviar mais mísseis de cruzeiro de longo alcance e bombas para a Ucrânia.

Macron também propôs uma iniciativa conjunta com o Qatar para mediar um acordo entre Israel e o Hamas que permita a entrega de medicamentos a cerca de 45 dos mais de 100 reféns israelitas mantidos em cativeiro em Gaza.

PUBLICIDADE

O líder francês também sugeriu que encontraria formas de trabalhar com Donald Trump, caso este ganhe outra presidência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Prepara-se fusão das duas bancadas de extrema-direita no Parlamento Europeu?

Gabriel Attal é o novo primeiro-ministro de França

Agricultores franceses mantêm protestos apesar de novas medidas do governo