Bélgica: Inaugurada a maior mesquita da Valónia

A mesquita Kanuni Sultan Süleyman alberga 600 fiéis de todas as origens.
A mesquita Kanuni Sultan Süleyman alberga 600 fiéis de todas as origens. Direitos de autor Amandine Hess
De  Amandine Hess
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em francês

Financiada exclusivamente pelos fiéis, a mesquita Kanuni Sultan Süleyman abriu as portas em Liège.

PUBLICIDADE

A maior mesquita da Valónia foi inaugurada em Liège, depois de mais de dez anos de construção.

Financiada exclusivamente pelos fiéis e pelo centro cultural turco, a mesquita Kanuni Sultan Süleyman não recebeu subsídios belgas nem donativos estrangeiros.

Custou 4,5 milhões de euros. A lista de doadores que se encontra na parede contém centenas de nomes. Cada um contribuiu de acordo com as suas possibilidades.

Estava na altura de esta comunidade ter uma mesquita, um local de culto digno desse nome
Mehmet Aydogdu
Vereador da Cultura e da Interculturalidade em Liège

Uma antiga mina de carvão

Há cerca de quinze anos, os Elders - "todos antigos mineiros", diz o vereador - adquiriram 11 000 m² de terreno no bairro de Glain, em Liège.

A localização é altamente simbólica. O edifício foi construído naantiga mina de carvão Patience e Beaujonc, onde trabalharam várias gerações de turcos.

No lugar da atual mesquita, existiam duas "Belle-Fleurs", nome dado na Bélgica aos elevadores utilizados para fazer subir e descer os mineiros. A chaminé foi demolida em 2014.

Em 1964, um acordo bilateral assinado entre Ancara e Bruxelas permitiu que milhares de trabalhadores turcos, principalmente da Anatólia Central, viessem trabalhar para a Bélgica. As suas famílias juntaram-se a eles alguns anos mais tarde, graças ao reagrupamento familiar.

"O bairro de Glain tornou-se, assim, uma zona popular para as comunidades turca e marroquina", explica Mehmet Aydogdu, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Liège para a Cultura.

A mesquita Kanuni Sultan Süleyman acolhe atualmente cerca de 600 fiéis de todas as origens.

A maioria são turcos", diz Ertugrul Yilmaz, imã da mesquita Kanuni Sultan Süleyman, "mas há também marroquinos, argelinos, tunisinos, guineenses, bósnios e paquistaneses, bem como convertidos como italianos, belgas e espanhóis".

"Uma mesquita local

O edifício, concebido pelos arquitetos belgas Pierre Blondel e Nicolas Duvivier, oscila entre a tradição e a modernidade.

O complexo moderno branco de 1300 m² inclui uma mesquita de 450 m² encimada por uma cúpula, mas sem minaretes.

A nossa ideia não era criar uma arquitetura ligada à Anatólia Central, ao Médio Oriente ou ao Norte de África. Tratava-se de alcançar a universalidade e, por conseguinte, a beligerância.
Mehmet Aydogdu
Vereador da Cultura e da Interculturalidade em Liège

No âmbito do projeto, o arquiteto Pierre Blondel viajou para a Turquia durante três semanas para "sentir a atmosfera, mas também para observar as mudanças arquitetónicas que estão a ocorrer no mundo muçulmano", diz o Vereador.

Centro cultural e religioso

O imã da Mesquita Kanuni Sultan Süleyman, Ertugrul Yilmaz, 35 anos, nasceu e cresceu na Bélgica. Frequentou a universidade na Turquia para se tornar imã, antes de regressar à Valónia.

Estou muito orgulhoso por estar de volta, por ser um imã, porque cresci com eles. Eu conheço-os, eles conhecem-me. Podemos trabalhar juntos
Ertugrul Yilmaz
Imã da mesquita Kanuni Sultan Suleyman

Para além da mesquita dedicada ao culto, a estrutura inclui também um centro cultural aberto a todos, salas de aula e salas de conferências.

"Gostaríamos de receber toda a gente", diz o imã, "fazer atividades em conjunto, mostrar que vivemos juntos, que também somos belgas, que fazemos parte desta comunidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gaza na memória dos muçulmanos por ocasião do Eid al-Fitr

Ramadão começa sem cessar-fogo à vista em Gaza

Iluminação alusiva ao Ramadão em Frankfurt levanta discussão