Robert Habeck, vice-chanceler da Alemanha: A Europa deve afirmar-se e ser capaz de defender-se

Robert Habeck, vice-chanceler da Alemanha: A Europa deve afirmar-se e ser capaz de defender-se
Direitos de autor euronews
De  Olivia Stroud
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A euronews entrevistou o Vice-Chanceler e Ministro da Economia e da Proteção do Clima, Robert Habeck.

A maior economia da Europa, a Alemanha, comprometeu-se a atingir a neutralidade climática até 2045. Após um período de crescimento lento, o país tem lutado para manter a inflação baixa, mas será que a Alemanha consegue equilibrar as políticas económicas e climáticas? 

A euronews entrevistou o Vice-Chanceler e Ministro da Economia e da Proteção do Clima, Robert Habeck.

Euronews: "O que está em jogo para a Alemanha nas eleições europeias de junho de 2024?"

Robert Habeck: “Para a Alemanha, é importante que a Europa se comprometa a ser europeia, que cresçamos juntos. O mercado interno é extremamente importante para a economia alemã. O mercado interno da energia, que foi criado nos últimos anos, vem juntar-se a isso. Esta é a perspetiva da Alemanha enquanto país económico e energético da Europa. Como europeu, devo dizer que é extremamente importante que a Europa se torne uma entidade política percetível. Neste momento, o confronto global está a ter lugar entre a Rússia, os EUA e a China. Não é certo que a Europa tenha um papel a desempenhar neste contexto. Se ficarmos divididos, se não agirmos unidos, as grandes decisões geopolíticas serão tomadas à nossa revelia. Uma vez que a Europa é fundamentalmente um continente de democracia liberal, as decisões serão tomadas contra os nossos valores ou, pelo menos, sem tomá-los em consideração". 

O o que está em causa é manter a Europa como uma união de democracias liberais forte na comunidade global.
Robert Habeck, ministro federal da Economia e do Clima da Alemanha

Robert Habeck: "O o que está em causa é manter a Europa como uma união de democracias liberais forte na comunidade global. O futuro do mundo não será decidido na competição entre a Alemanha e a França, ou a Dinamarca e os Países Baixos, ou a Suécia e a Finlândia. O futuro do mundo será decidido na competição entre os EUA, a China e a Europa, e potencialmente a Índia e a Rússia. Os Estados-nação da Europa têm de reconhecer que o seu papel existe através da Europa e devem afirmá-lo, através das regras europeias, subsídios, regulamentos de apoio económico, procedimentos de aprovação, política externa, e também, por muito difícil que seja, para mim, dizê-lo, da capacidade de uma indústria europeia de armamento. Temos de enfrentar essa realidade. E se entendermos a Europa como uma aliança frouxa de 27 Estados e não a equiparmos com carácter definitivo, dizendo que a integração europeia deve continuar, então não seremos competitivos a nível global".

"Precisamos de imigração"

Euronews: “A Alemanha está a enfrentar uma crise económica e o poder de compra das pessoas diminuiu. Como é que vamos sair desta situação?”

Robert Habeck: “No caso da Alemanha, é preciso dizer que o país foi particularmente afetado por duas razões. Tínhamos uma grande dependência da energia russa. Mais de 50% do gás, 55% do carvão, mas também do petróleo, tudo vinha da Rússia. Por isso, não é de admirar que a economia alemã tenha sido particularmente afetada. Os alemães tiveram de renegociar todos os seus contratos. A situação foi diferente em Espanha, no Reino Unido ou na Dinamarca. E a Alemanha é um país orientado para a exportação. Por isso, dependemos do mercado global e a economia global está fraca. A China também tem problemas económicos. Isso afeta muito mais a Alemanha do que outros países. Mas estamos a lutar para sair dessa situação. Garantimos a segurança energética, reduzimos os preços da energia, a inflação está a baixar, as taxas de juro voltarão a descer em breve e o investimento será retomado. E a economia mundial voltará a recuperar. E então o país terá ultrapassado este período de fraqueza".

Continuam a faltar infra-estruturas de acolhimento de crianças, para que se possa conciliar a família e o trabalho. É também uma tarefa política.
Robert Habeck, ministro federal da Economia e do Clima da Alemanha

Euronews: “Como é que a falta de mão de obra na Alemanha pode ser resolvida?”

Robert Habeck: Em primeiro lugar, precisamos de imigração. Isto não é de todo uma ideia nova. Mas durante demasiado tempo, os partidos políticos conservadores disseram "não, não, não precisamos de nada disso". Em segundo lugar, precisamos de integrar melhor as pessoas que já cá estão, no mercado de trabalho. Isto diz respeito, em particular, aos jovens que não possuem qualificações profissionais ou que não têm qualificações profissionais. Isto tem a ver com o sistema de ensino, com o sistema de formação contínua. Em termos numéricos, entre os 20 e os 35 anos, há 2,6 milhões de alemães que não possuem qualificações profissionais. E isso é um problema político. Não se trata de um problema individual em que se diz 'tens de te esforçar mais'. Há demasiadas pessoas que ficam pelo caminho porque podem ter dislexia ou problemas com a matemática. Mas, mesmo assim, podem ser bons artesãos, talentosos em enfermagem. O mesmo se aplica à participação das mulheres no mercado de trabalho. Nos países de língua alemã, Suíça, Áustria, Alemanha, a integração das mulheres no mercado de trabalho é pior do que a média europeia. Muito pior do que na Escandinávia. Continuam a faltar infra-estruturas de acolhimento de crianças, para que se possa conciliar a família e o trabalho. É também uma tarefa política. E, em terceiro lugar, diria que, numa sociedade envelhecida, precisamos de trabalhar mais tempo. Aqueles que querem trabalhar mais tempo devem ser autorizados a fazê-lo”.

Euronews: "As despesas militares na Europa aumentaram significativamente. Quais são as consequências para a economia?"

Robert Habeck: “Ou não vimos ou não quisemos ver o que Putin está a fazer, o quão fortemente está a reforçar os seus exércitos. Não gosto de gastar dinheiro em exércitos e armamento. Consigo imaginá-lo melhor para a educação, para a investigação, para a formação contínua, para a proteção do clima, para critérios de sustentabilidade. Mas temos de o fazer. O tempo em que não o queríamos fazer já passou. Por isso, temos de aumentar as despesas militares para nos podermos proteger. E também para nos darmos a nossa própria garantia de proteção europeia. Não devemos ver apenas os americanos como garantes, mas temos de nos tornar mais capazes de nos defendermos a nós próprios. As despesas militares aumentaram nos últimos dois anos porque apoiámos fortemente a Ucrânia. No entanto, na minha opinião, é necessário estabilizá-las para, diria, a manutenção do exército europeu e, pelo menos, do exército alemão, para podermos fazer alguma coisa".

Euronews: "De acordo com um relatório da Agência Europeia do Ambiente, a UE não está preparada para as alterações climáticas e para as ondas de calor. O que tenciona fazer para alterar esta situação?"

"Menos burocracia" na expansão das energias renováveis

Robert Habeck: “Em primeiro lugar e acima de tudo, o objetivo é limitar o aquecimento global tanto quanto possível. Trata-se apenas de abrandar, de conter a curva de forma a que as pessoas se possam adaptar. Para resistir a esta mudança significativa. Como organismo, quer como organismo biológico, quer como coesão social, como comunidade social. E isso significa que temos de tornar as nossas cidades mais resistentes ao calor e à chuva. Temos de tornar a agricultura mais sustentável. Precisamos de reservatórios de água nas regiões áridas. Temos de rever a gestão da água. Precisamos de medidas de proteção costeira ao longo das costas, investimentos significativos.

Euronews: "Mais rapidez na transição energética na Europa: O que é preciso fazer? E o que é que isso significa para a indústria e para os cidadãos?"

Robert Habeck: "No próximo mandato da Comissão Europeia, é necessário que haja menos burocracia na expansão das energias renováveis. Estamos a tornar a nossa vida desnecessariamente difícil, de certa forma, quando lemos a Diretiva Energias Renováveis, não sei se tudo isso precisa de ser regulamentado de forma tão meticulosa e extensiva. Por isso, se queremos realmente fazer progressos, temos de ser mais pragmáticos e menos burocráticos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Charles Michel: "é um erro tentar opor o nível nacional ao nível europeu"

Kyriakos Mitsotakis: "Continuo convencido de que o futuro da União Europeia é risonho"

Presidente do Banco Europeu de Investimento: "investimos 49 mil milhões na transição ecológica"