Primeiro voo entre Bulgária e Roménia assinala alargamento do espaço Schengen por via aérea

Passageiros búlgaros chegam a Bucareste
Passageiros búlgaros chegam a Bucareste Direitos de autor BGBNT
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Passageiros não tiveram de ser submetidos ao controlo fronteiriço.

PUBLICIDADE

Esta segunda-feira realizou-se o primeiro voo entre a Bulgária e a Roménia após a entrada dos dois países no espaço Schengen por via aérea e marítima

O avião descolou às 12h40 de Sófia e aterrou em Bucareste uma hora e cinco minutos mais tarde.

Os passageiros não tiveram de ser submetidos ao controlo fronteiriço e, portanto, a quase 30 minutos de espera, após a decisão unânime do Conselho da União Europeia do final do ano passado, que entrou em vigor no domingo. 

A Roménia e a Bulgária aderem apenas parcialmente ao espaço Schengen, o que significa que os controlos nas fronteiras terrestres se mantêm.

O primeiro-ministro romeno, Marcel Ciolacu, considerou a adesão uma "conquista merecida" para a Roménia, permitindo que os cidadãos viajem mais facilmente, e proporcionado um impulso económico.

"Temos um plano governamental claro e firmemente assumido para a plena adesão ao Espaço Schengen até ao final do ano", afirmou. 

Kalin Stoyanov, ministro do Interior da Bulgária, já tinha dito no domingo que "a adesão plena da Bulgária a Schengen ocorrerá até ao final de 2024".

 "Mostrámos e continuamos a mostrar aos migrantes ilegais que não devem tomar o caminho para a Europa através da Bulgária.", declarou.

O levantamento do controlo fronteiriço deverá facilitar as operações nos quatro aeroportos internacionais da Bulgária, que em 2023 registaram quase 11 milhões de passageiros, de acordo com dados oficiais.

O aeroporto da capital, Sófia, é o maior centro de voos Schengen, que constituem 70% de todos os voos, segundo representantes do aeroporto.

Embora se espere que a medida tenha um impacto positivo no setor do turismo, os deputados do Parlamento Europeu manifestaram a sua preocupação com as longas filas de espera nas fronteiras terrestres da União Europeia e com as consequências que isso pode trazer ao comércio no mercado único do bloco, bem como à saúde e segurança dos condutores.

Os condutores de camiões ficam frequentemente presos em filas de quilómetros de comprimento nas fronteiras da Roménia e da Bulgária. A União dos Transportadores Internacionais da Bulgária estima que os atrasos custam ao setor dezenas de milhões de euros por ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bulgária e Roménia "juntam-se à família Schengen" a partir deste domingo - mas só de forma parcial

Roménia e Bulgária aderem ao Espaço Schengen no domingo

A Bulgária e a Roménia abrem-se a mais turistas. Eis o que esperar