EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Novo presidente de Taiwan diz que objetivos de anexação da China "não vão simplesmente desaparecer"

William Lai tomou posse como novo Presidente de Taiwan na manhã de segunda-feira, em Taipé.
William Lai tomou posse como novo Presidente de Taiwan na manhã de segunda-feira, em Taipé. Direitos de autor Chiang Ying-ying/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Chiang Ying-ying/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Jorge Liboreiro in Taipei
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

William Lai tomou posse como novo presidente de Taiwan, prometendo aprofundar os laços com outras democracias do mundo.

PUBLICIDADE

As ambições de longa data da China, de colocar Taiwan sob o seu controlo, continuarão a ser uma ameaça para a segurança mundial, mesmo que a ilha autónoma ceda a todas as condições prévias de Pequim, advertiu o presidente William Lai na segunda-feira, no seu primeiro discurso após a tomada de posse.

Lai, que pertence ao Partido Democrático Progressista (DPP), aproveitou a sua tomada de posse para oferecer à China a oportunidade de escolher "o diálogo em vez da confrontação", de acordo com os princípios da "paridade e unidade", com a retoma do turismo e a inscrição de estudantes do continente em instituições taiwanesas como possíveis primeiros passos.

A política de Lai reflete as linhas gerais definidas pela antecessora, Tsai Ing-wen, que irritou repetidamente a China ao afirmar que Taiwan era de facto independente. Lai foi vice-presidente de Tsai e é visto como um sucessor de continuidade.

"Hoje, a invasão da Ucrânia pela Rússia e o conflito entre Israel e o Hamas continuam a abalar o mundo inteiro", disse Lai. "E as ações militares e a coerção na Zona Cinzenta da China são consideradas os maiores desafios estratégicos para a paz e a estabilidade mundiais".

Nos últimos 70 anos, a China tem visto Taiwan como uma região separatista que um dia deverá ser "reunificada" com o continente. Estas aspirações endureceram ao longo do tempo, à medida que Taipé se tornou cada vez mais democrática e, por conseguinte, cada vez mais crítica do modelo autoritário promovido pelo Partido Comunista.

O presidente chinês Xi Jinping recusou-se abertamente a excluir o recurso ao poder militar para conseguir a "reunificação", que considera vital para o "rejuvenescimento" do seu país.

A sua retórica fez soar o alarme em todos os aliados ocidentais, que temem que a tomada forçada da ilha de 23,5 milhões de habitantes resulte num massacre e provoque um caos económico incalculável devido ao quase monopólio de Taiwan sobre a indústria de semicondutores.

A China envia aviões militares e drones quase diariamente para Taiwan e tem sido acusada de conduzir campanhas maciças de desinformação.

"Enquanto perseguimos o ideal da paz, não devemos ter ilusões", disse Lai.

"Enquanto a China se recusar a renunciar ao uso da força contra Taiwan, todos nós em Taiwan devemos compreender que, mesmo que aceitemos a totalidade da posição da China e renunciemos à nossa soberania, a ambição da China de anexar Taiwan não desaparecerá simplesmente".

Lai pretende "paz através da força"

Lai comprometeu-se a manter os chamados "quatro compromissos" estabelecidos pela antecessora. Tal como deixou claro na segunda-feira, estes incluem o compromisso de que Taiwan e a China nunca deverão estar subordinadas uma à outra. Para Pequim, isto não é um ponto de partida, uma vez que tratar Taipé em pé de igualdade prejudicaria a sua reivindicação territorial.

Em vez disso, a China tem defendido um modelo de "um país, dois sistemas" para incorporar Taiwan no país, permitindo ao mesmo tempo uma certa autonomia ao território, tal como foi feito aquando da entrega de Hong Kong em 1997.

Mas Taipé rejeitou a fórmula, argumentando que Pequim tem vindo a invadir gradualmente Hong Kong e a corroer os direitos fundamentais.

William Lai discursou perante milhares de cidadãos taiwaneses reunidos em frente ao palácio presidencial.
William Lai discursou perante milhares de cidadãos taiwaneses reunidos em frente ao palácio presidencial.AP/AP

No seu discurso, Lai manteve-se firme contra a China e apelou à cessação da "intimidação política e militar", mas absteve-se de ideias radicais que pudessem inflamar ainda mais as tensões e sublinhou que o status quo deve ser mantido.

A União Europeia e os Estados Unidos, que têm relações diplomáticas com a China e laços não oficiais com Taiwan, também querem que o status quo seja mantido.

As autoridades taiwanesas esperam que as múltiplas fontes de fricção entre os aliados ocidentais e Pequim, incluindo a amizade sem limites de Xi com Vladimir Putin, as práticas comerciais desleais e as violações dos direitos humanos, trabalhem a seu favor e alarguem a participação da ilha em organizações internacionais, como a próxima Assembleia Mundial da Saúde.

Nos últimos anos, delegações interpartidárias do Parlamento Europeu e do Congresso dos EUA deslocaram-se a Taipé, o que constitui um sinal de apoio crescente.

No entanto, esta dinâmica renovada não será certamente objeto de reconhecimento diplomático. A tomada de posse de Lai contou apenas com a presença de alguns chefes de Estado de países de pequena dimensão, como Essuatíni, as Ilhas Marshall e Palau, que ainda estão a desenvolver relações formais com Taiwan. As democracias ocidentais enviaram funcionários de menor patente para evitar a ira de Pequim.

PUBLICIDADE

Como alternativa, o Presidente de 64 anos propôs o reforço da cooperação internacional em domínios como a inteligência artificial, as alterações climáticas e a segurança regional. Prometeu também prosseguir com acordos bilaterais de investimento, uma ideia já aprovada pelo Parlamento Europeu mas rejeitada pela Comissão Europeia.

"Ao estarmos lado a lado com outros países democráticos, podemos formar uma comunidade global pacífica que pode demonstrar a força da dissuasão e evitar a guerra, alcançando o nosso objetivo de paz através da força", disse Lai.

A cerimónia de segunda-feira decorreu perante cerca de 20.000 pessoas, de acordo com as estimativas do governo, e incluiu uma variedade de espectáculos destinados a realçar a diversidade cultural e a criatividade artística de Taiwan.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden assina pacote de ajuda de 95 mil milhões de dólares para Ucrânia, Israel e Taiwan

Roy Lee: UE deve "manter firme apoio a Taiwan" face à pressão da China

Hong Kong é palco da espetacular corrida anual de barcos-dragão