EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Houthis reivindicam ataques a contratorpedeiro dos EUA e a dois navios petroleiros

Houthis começaram a atacar navios no Mar Vermelho em novembro
Houthis começaram a atacar navios no Mar Vermelho em novembro Direitos de autor Osamah Abdulrahman/AP
Direitos de autor Osamah Abdulrahman/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Operações dos rebeldes Houthis foram levadas a cabo nos mares Vermelho e Arábico.

PUBLICIDADE

Os rebeldes Houthi alegaram ter atacado um contratorpedeiro da Marinha dos Estados Unidos e dois navios-cisterna, em águas ao largo do Iémen, no âmbito das operações contra Israel devido à guerra na Faixa de Gaza.

De acordo com o porta-voz militar dos Houthis, Yehya Sarea, cita a Reuters, o primeiro ataque foi efetuado com vários mísseis balísticos lançados contra um contratorpedeiro norte-americano (mais conhecido como "destroyer", um navio de guerra) no Mar Vermelho.

Já o segundo foi realizado com recurso a mísseis navais contra o navio petroleiro "Captain Paris", também no Mar Vermelho.

O grupo rebelde levou a cabo uma terceira operação militar contra o navio "Happy Condor" no mar Arábico, utilizando vários drones.

Apoiados pelo Irão, os Houthis começaram a atacar navios no Mar Vermelho em novembro em solidariedade com o povo palestiniano e em resposta à guerra de Israel contra o Hamas (outro aliado do Irão) na Faixa de Gaza, em curso há mais de oito meses. Os ataques muitas vezes atingiram navios não relacionados à guerra.

A navegação no Mar Vermelho foi reduzida a metade neste que é um corredor marítimo crucial para o transporte de mercadorias entre a Ásia, a Europa e o Médio Oriente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Houthis reivindicam ataques a 3 navios nas últimas 24 horas

Rebeldes Houthi detêm pelo menos 9 membros da ONU, dizem as autoridades

Pelo menos 16 Houthis morreram num ataque aéreo conjunto dos EUA e Reino Unido