EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Banco de Inglaterra sobe previsões de crescimento mas mantém política inalterada

Banco de Inglaterra sobe previsões de crescimento mas mantém política inalterada
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com REUTERS, LUSA, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Banco de Inglaterra (BoE) reviu em alta as previsões de crescimento da economia britânica, mas manteve inalterada a taxa de juro de referência no mínimo histórico de…

PUBLICIDADE

O Banco de Inglaterra (BoE) reviu em alta as previsões de crescimento da economia britânica, mas manteve inalterada a taxa de juro de referência no mínimo histórico de 0,25%.

Pound Slides After BOE Keeps Rates Unchanged, Warns “Little Closer” To Limits Of Inflation Tolerance https://t.co/WcP3lqOpBe

— Joseph Vainsberg (@Anti1802) 2 de fevereiro de 2017

Para este ano, o banco central espera um crescimento de 2%, contra 1,4% em novembro. Para 2018 antecipa uma progressão de 1,6% e de 1,7% em 2019.

Mas o governador Mark Carney avisa que a saída do Reino Unido da União Europeia terá consequências: “Esta projeção mais elevada não significa que o referendo não terá consequências. A incerteza sobre os futuros acordos pesa sobre o investimento empresarial, que tem sido estável desde finais de 2015. Nos próximos três anos, este investimento empresarial deverá ser um quarto inferior ao previsto antes do referendo, com consequências para a produtividade, os salários e os rendimentos”.

Apesar da vitória do Brexit, a economia britânica mostrou-se resistente, mas a inflação subiu e vai continuar a subir.

O banco central prevê que a taxa atinja os 2,8% em 2018, antes de começar a recuar ligeiramente.

Mark Carney adianta: “O caminho do Brexit está apenas no início. O percurso é claro, mas haverá altos e baixos. Independentemente dos acontecimentos, a política monetária será definida para que a inflação regresse à meta sustentável, enquanto apoiamos os ajustes necessários na economia”.

A subida da inflação é o resultado da desvalorização da libra, que desde junho perdeu cerca de 20% face ao dólar. E esta quinta-feira recuou mais um pouco.

Até agora o consumo impulsionou o crescimento, mas antecipa-se uma estagnação dos gastos das famílias.

Face às incertezas, o banco central mantém também o seu programa de compra de ativos no montante de 435 mil milhões de libras.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa