EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Preparar a força de trabalho da Europa para o futuro

Em parceria com The European Commission
Preparar a força de trabalho da Europa para o futuro
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Fanny GauretJeremy Willks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia está a investir 65 mil milhões de euros numa estratégia de formação e requalificação de trabalhadores em todos os Estados-Membros

A Europa está a enfrentar uma crise laboral. Um número substancial de ofertas de emprego em todos os setores na sequência da pandemia de COVID-19 está a ser intensificado pela transição digital e ecológica.

Sem uma mão-de-obra altamente qualificada, receia-se que as empresas europeias fiquem para trás em relação a outras nas próximas décadas.

Onde estão os trabalhadores?

A pandemia de COVID-19 teve um grande impacto na sociedade e na forma como trabalhamos. Esta perturbação foi ainda mais acentuada após o início da guerra na Ucrânia, e o mercado de trabalho ainda não recuperou. Em 2022, a taxa de ofertas de emprego na União Europeia era de 2,8%, variando entre 0,8% na Roménia e 4,6% na Áustria, com muitos Estados-Membros a registarem aumentos em relação aos níveis anteriores à pandemia.

Em Espanha, as ofertas de emprego aumentaram 150% no setor dos transportes, 111% na administração pública e 91% nas atividades profissionais e técnicas. As maiores carências concentram-se na indústria transformadora e na construção. As empresas de todo o continente estão a começar a sentir o peso desta escassez. Um quarto dos 25 milhões de PME na Europa afirma que contratar gestores e pessoal altamente qualificados é o maior problema.

Ano Europeu das Competências

Em maio de 2022, a Comissão Europeia lançou o Ano Europeu das Competências - uma nova estratégia para impulsionar as iniciativas de melhoria de competências, formação e inovação nos Estados-Membros. A Comissão investiu 65 mil milhões de euros para a levar a cabo as ações de formação.

"Trata-se, de facto, de uma mensagem forte para enfrentar um grande desafio", afirma Nicolas Schmit, Comissário Europeu para o Emprego e para os Direitos Sociais. "Estamos a falar de milhões de pessoas que precisam de mudar ou simplesmente melhorar as suas qualificações. Trata-se, portanto, de um encontro importante que a Europa tem com o seu futuro económico, com as grandes transformações que estão a ocorrer, sejam elas digitais ou ecológicas."

Embora a União Europeia (UE) esteja concentrada em preparar-se para uma transição digital, Schmit espera que a estratégia possa ajudar a impulsionar o crescimento em todos os setores.

"É claro que falamos muito de competências digitais e há centenas de milhares de postos de trabalho vagos neste domínio. Mas também temos o setor da construção que procura desesperadamente indivíduos qualificados. Há muitas profissões que precisam de ser requalificadas porque as tecnologias estão a evoluir e a mudar devido ao desafio climático. São profissões com grande procura e estamos a dar muita ênfase aos estágios, porque a transição da formação para o emprego é muito mais suave".

Melhoria das competências e formação

Empresas como a Inrotech, na Dinamarca, estão a colher os benefícios da iniciativa da UE. Para crescer, o fabricante de robôs precisa de recrutar artesãos altamente qualificados e doutorados em engenharia. Mas, até à data, o atraso do mercado de trabalho está a atrasar as ambições da empresa.

"O nosso fórum estratégico identificou a mão-de-obra qualificada como o desafio número um", afirma Kasper Aagaard, diretor de inovação da Business Region Fyn- um consórcio dinamarquês que promove o fabrico de robótica. Os fundos da UE permitem-lhes investir na formação e no reforço de competências para ajudar empresas como a Inrotech.

Christian Ryrberg Schmidt é um desses beneficiários. É engenheiro mecânico e recebeu formação especial para conceber um sistema de gestão de dados técnicos.

"Não há muitas pessoas na Dinamarca com esta competência. É muito importante que tenhamos este sistema e o facto de ter recebido formação nesta área foi muito importante para mim", afirma Christian.

A Comissão Europeia está a apostar numa abordagem específica para resolver o desafio crescente da escassez de mão-de-obra. Sem uma mão-de-obra qualificada, a Europa terá dificuldade em atingir os seus principais objectivos em matéria de clima e de transformação digital para as próximas décadas. O Ano Europeu das Competências é a estratégia do bloco para estimular a inovação, promover a educação e capacitar as pessoas para melhorarem as suas competências.

Partilhe esta notícia