Euroviews. Não podemos deixar que o défice de competências atrase a transição ecológica

Um parque solar a oeste de Rio Rancho, NM, junho de 2021
Um parque solar a oeste de Rio Rancho, NM, junho de 2021 Direitos de autor AP Photo/Euronews
De  Ignacio Galán
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor e não representam a posição editorial da Euronews.
Artigo publicado originalmente em inglês

Ao proporcionar as oportunidades e a formação adequadas, os trabalhadores atuais beneficiarão de novas oportunidades e as gerações mais jovens herdarão não só um clima melhor, mas também os meios para prosperar, escreve Ignacio Galán.

PUBLICIDADE

A transição para Zero Emissões Líquidas é uma revolução para toda a economia. Cada setor mudará, e a energia sofrerá uma das maiores transformações, mas também grandes oportunidades.

Estamos a afastar-nos rapidamente da dependência dos combustíveis fósseis poluentes, em direção a formas de energia mais limpas. Tecnologias como a energia eólica e solar fotovoltaica, as redes inteligentes e o armazenamento - tanto as "gigabaterias" hidroeléctricas como as baterias de iões de lítio - estão a liderar o caminho, apoiadas por novas soluções como o hidrogénio verde.

Agora que o abrandamento económico está a levar todas as indústrias a identificar novos modelos de negócio que possam trazer investimentos e empregos, a energia limpa surge como uma fonte única de atividade sustentável.

A escala desta transformação é vasta em muitos aspetos, mas é talvez a mais significativa para o futuro do emprego.

As pessoas, as suas competências e o seu trabalho são a chave para a transição para uma economia mais verde e para a redução das emissões de carbono. Os países, setores e regiões que melhor ajudarem os trabalhadores a adquirir novas competências de forma rápida e eficaz estarão na vanguarda da transição.

O desejo de liderar é significativo

A Organização Internacional do Trabalho apresenta um quadro convincente de uma economia mais verde e calcula que a transição criará 100 milhões de novos "empregos verdes" até ao final da presente década.

Engenheiros, trabalhadores da construção offshore e onshore, eletricistas, químicos de baterias e projetistas de veículos elétricos são apenas algumas das funções que irão ter uma procura crescente.

Os líderes empresariais parecem concordar. No início desta semana, a Iberdrola lançou um novo relatório denominado Green Skills Outlook. A investigação realizada para o relatório revelou que os líderes empresariais estão muito otimistas em relação à transição ecológica, com 79% a afirmar que esta apresenta mais oportunidades do que desafios para a sua organização.

À medida que os compromissos de descarbonização se materializam, as indústrias tradicionais apoiadas por fósseis devem transformar-se.
Ignacio Galán
Emissions rise from the smokestacks at a coal power plant as the sun sets, near Emmett, KS, September 2021
Emissions rise from the smokestacks at a coal power plant as the sun sets, near Emmett, KS, September 2021AP Photo/Charlie Riedel

É encorajador o facto de a maioria (63%) dos inquiridos também acreditar que a responsabilidade de liderar a transição recai, em última análise, sobre eles próprios.

Este desejo de liderar é significativo. À medida que os compromissos de descarbonização se concretizam, as indústrias tradicionais apoiadas por combustíveis fósseis terão de se transformar ou entrarão em declínio.

Obviamente, isto afetará a atividade das minas de carvão ou dos poços de petróleo, mas outros setores ao longo da cadeia de valor também terão de se adaptar, como os fabricantes de caldeiras a gás. Por outras palavras, este processo não é apenas o resultado da concorrência de formas de energia mais eficientes. Nem sequer é impulsionado apenas pela tecnologia.

A tecnologia de energia limpa não é uma ameaça

O status quo energético já não é uma opção devido a razões climáticas, geopolíticas e económicas. Por conseguinte, as tecnologias de energia limpa não são uma ameaça. Graças à inovação e ao investimento, estão a trazer uma vasta gama de oportunidades para que cada comunidade local beneficie da mudança que se aproxima.

Agora, é da responsabilidade, tanto das empresas como dos governos, estabelecer as condições - os programas, os apoios, os incentivos e as oportunidades - tanto para a criação de novos empregos, mais ecológicos, como para os atuais trabalhadores.

A green hydrogen plant sits in Puertollano, central Spain, March 2023
A green hydrogen plant sits in Puertollano, central Spain, March 2023AP Photo/Bernat Armangue

Na Iberdrola, podemos falar sobre este processo com base na nossa própria experiência de transição ao longo das últimas duas décadas. No Reino Unido, por exemplo, ajudámos os trabalhadores das plataformas petrolíferas a transferirem e desenvolverem as suas competências, passando da manutenção ou construção de plataformas petrolíferas para a construção de parques eólicos offshore, que são atualmente uma parte essencial do sistema energético do Reino Unido.

Os seus conhecimentos e décadas de experiência ajudaram-nos a acelerar a construção de parques eólicos offshore, em segurança e a um preço competitivo para os utilizadores de energia.

Por parte dos governos e dos decisores políticos, há uma série de formas de ajudar a apoiar e acelerar os benefícios da transição ecológica em termos de emprego.

À medida que as políticas climáticas e energéticas estão a ser desenvolvidas, uma dessas formas é trabalhar em estreita colaboração com especialistas da indústria e da educação. Ao compreender plenamente os desafios do ponto de vista da mão de obra e da formação, podem ser tomadas medidas de todos os lados para garantir o máximo de benefícios para o emprego.

Uma ação política arrojada permitiria o crescimento do emprego

O Green Skills Outlook identificou áreas políticas claras que os líderes empresariais querem ver apoiadas. Estas incluem benefícios fiscais para programas de atualização e requalificação de competências e financiamento estratégico para apoiar a criação de cursos de competências verdes em instituições de ensino.

PUBLICIDADE

Mas todas estão alinhadas sobre o mesmo pilar: promover investimentos ecológicos que criem atividade durante 40 a 60 anos através de quadros claros e estáveis.

Esta revolução ambiental e económica não acontecerá sem as competências adequadas, no lugar certo e no momento certo.
Ignacio Galán
Workers carry a solar panel for installation at the under-construction energy park in the salt desert near Khavda, state of Gujarat, India, September 2023
Workers carry a solar panel for installation at the under-construction energy park in the salt desert near Khavda, state of Gujarat, India, September 2023AP Photo/Rafiq Maqbool

Quando olhamos para alguns dos momentos de crise global da história recente, os governos mostraram-se capazes de reagir rapidamente introduzindo políticas novas e arrojadas, quando empresas de setores inteiros enfrentaram turbulência ou declínio.

A transição ecológica beneficiaria de uma ação política corajosa e decisiva semelhante, que não só protegeria os empregos, como os aumentaria consideravelmente.

As empresas também devem fazer mais. As alianças intersetoriais serão fundamentais, uma vez que esta transformação nos afeta a todos.

O projeto "Reskilling 4 Employment" ("novas competências para o trabalho", tradução livre) é um bom exemplo na Europa. Fazendo parte da Mesa Redonda Europeia da Indústria, composta por 60 das maiores empresas europeias, oferece oportunidades de requalificação a trabalhadores desempregados e "em risco", para que possam encontrar emprego em novas profissões com procura e ecológicas.

PUBLICIDADE

Os ventos da mudança estão a chegar

A última grande cimeira sobre o clima, a COP28, colocou o mundo no caminho para triplicar a capacidade de produção de energia renovável em seis anos e de eliminar gradualmente os combustíveis fósseis.

Posso dizer que aqueles que estiveram presentes nos debates e nas negociações puderam testemunhar os ventos da mudança que se aproximam.

Mas esta revolução ambiental e económica não acontecerá sem as competências certas, no lugar certo e no momento certo.

A minha experiência prova que, ao proporcionar as oportunidades e a formação adequadas, os trabalhadores atuais beneficiarão de novas oportunidades e as gerações mais jovens herdarão não só um clima melhor, mas também os meios para prosperar.

Temos pouco tempo a perder para garantir que isso aconteça.

PUBLICIDADE

Ignacio Galán é o Presidente Executivo da Iberdrola.

Na Euronews, acreditamos que todas as opiniões são importantes. Contacte-nos em view@euronews.com para enviar propostas ou submissões e fazer parte da conversa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mercedes-Benz recolhe 250 000 veículos devido a risco de incêndio

Uber Eats altera anúncio polémico da Super Bowl por brincar com alergias alimentares

Quem ultrapassou Elon Musk como a pessoa mais rica do mundo?