EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Genebra: 36 filmes em competição no Festival de Cinema e Direitos Humanos

Genebra: 36 filmes em competição no Festival de Cinema e Direitos Humanos
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Frédéric Ponsard
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os filmes a concurso no 21° Festival Internacional de Cinema e Fórum sobre os Direitos Humanos, a decorrer na Suíça, abordam temáticas relacionadas com o mundo político e o ativismo.

PUBLICIDADE

O Festival Internacional de Cinema e Fórum sobre Direitos Humanos está de volta a Genebra, na Suiça, paralelamente à sessão principal do Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU).

A cantora Barbara Hendricks, madrinha do evento, celebrou o septuagésimo quinto aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, na abertura do festival.

Este ano, o evento conta com 36 filmes, incluindo sete estreias mundiais, 21 debates, entre eles 10 difundidos em direto na internet e perto de 220 convidados internacionais.

O festival tem uma linha orientadora onde o artístico e, em particular, os filmes abordam temáticas relacionadas com o mundo político e o ativismo.

Irène Challand, responsável pelo festival, falou sobre os temas principais deste ano: "Há três temas principais este ano no festival: os problemas da migração e os nacionalismos, os conflitos e a guerra, e ainda o aquecimento global. A nossa sociedade está em mudança, de todos os pontos de vista: geopolítico, social e individual".

Euronews
Festival realiza-se até este domingo em Genebra, na Suíça.Euronews

Filme "The Land within" aborda a guerra e a migração

Na categoria de fição, o filme “_The Land within_” aborda as questões da guerra e da migração. Conta a história de um migrante do Kosovo, que vive na Suiça, e que regressa ao seu país de origem para enfrentar os fantasmas do passado e identificar os familiares que foram encontrados numa vala comum.

Sem nomear o seu país e dividido entre as populações sérvia e albanesa, o realizador, de origem kosovar, mostra no seu filme a complexidade de várias situações.

Fisnik Maxville, o realizador salienta que "este tipo de história, em que corpos são enterrados numa vala comum, aconteceu em vários locais, não só na Europa, como também em outros continentes".

"Se o segredo permanece enterrado e não é revelado, penso que o processo de paz é atrasado, incluindo o processo de paz com a terra onde vivemos. Essa terra tem um significado simbólico muito grande, quando vemos que a situação geopolítica na Europa ainda não está resolvida nem nunca estará”, disse ainda.

Filme "We will not fade away" retrata os sonhos de cinco adolescentes ucranianos

“W_e will not fade away_” é um filme ucraniano que retrata os sonhos e medos de cinco adolescentes da região do Donbass, na Ucrânia, antes da invasão russa.

O filme aborda o debate sobre a legitimidade e a eficácia de um tribunal internacional para punir o crime de agressão, especialmente em relação à Ucrânia, uma questão complexa para o escritor e jurista Pierre Hazan.

“A questão é o que fazer com aquele que classificamos como diabo. Poderemos negociar com ele? Ele deve ser colocado atrás das grades? Será possível metê-lo atrás das grades? Ou será que devemos negociar com ele de forma cautelosa? Por um lado, há pessoas que dizem que não podemos falar com Putin porque ele é responsável pela agressão e as suas tropas cometem crimes de guerra e crimes contra a humanidade e existem outras pessoas, como o Presidente francês, que dizem que devemos discutir com ele porque um dia teremos de chegar a algum tipo de solução política”, referiu Pierre Hazan.

Existem outro tipo de iniciativas organizadas pelo festival, incluindo o projeto Kids Guernica, uma pintura feita por migrantes, alguns deles em situação irregular.

Euronews
Pintura feita por migrantes.Euronews

"Trabalhamos juntos, criamos um vínculo. Quando se trabalha numa superfície como esta pensam "sim, é um trabalho". E depois, temos de ser persistentes. Eles percebem que para que dê certo, a imagem tem de criar um impacto. Há muitas coisas que os fazem começar a desfrutar desta pintura”, salientou François Burland, artista e mediador cultural.

François Burland salienta ainda que o objetivo desta iniciativa não é apenas "fazer uma obra, mas sim, a partir desta ligação, descobrir o que podemos construir juntos para os ajudar a entrar neste mundo que eles não conhecem”.

PUBLICIDADE

Filme de Manon Loizeau projetado nas margens do lago de Genebra

Entre os eventos especiais do festival, está a projeção nas margens do Lago Léman, numa tenda, do último filme da jornalista e realizadora Manon Loizeau, sobre uma jovem migrante afegã, Elaha, que ela conheceu na Grécia.

"Passámos mais de um ano a filmá-la, a filmar o seu percurso, por isso é a sua visão de criança e o filme mostra a resiliência de todas as crianças e fala sobre o seu processo de crescimento na estrada para fugir de conflitos”, referiu.

Euronews
Filme da jornalista e realizadora Manon Loizeau está a ser projetado nas margens do lago Léman.Euronews

O filme mostra a coragem e as dúvidas, as dores e as alegrias, de uma jovem brilhante e inspiradora. Mais de um terço das imagens foram recolhidas por Elaha e depois integradas no filme.

"Trata-se de um filme coletivo e de uma mensagem de esperança. Acredito que esta jovem, Elaha Iqbali, representa todas estas crianças, que têm uma coragem incrível e que perseguem os seus sonhos, aconteça o que acontecer à sua volta".

PUBLICIDADE

O Festival Internacional de Cinema e Fórum sobre Direitos Humanos realiza-se em Genebra, na Suíça, até ao próximo domingo, 19 de março.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"É preciso mais educação contra populismo", diz Alto Comissário da ONU

Lukas Dhont venceu o Prémio do Público Lux com filme "Close"

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023