Sean Penn diz que bofetada de Will Smith nos Óscares podia ter sido evitada se Zelenskyy tivesse estado na cerimónia

Sean Penn na conferência de imprensa do filme "Superpower" durante o Festival de Cinema de Berlim - fevereiro de 2023
Sean Penn na conferência de imprensa do filme "Superpower" durante o Festival de Cinema de Berlim - fevereiro de 2023 Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

"Isto não teria acontecido com Zelenskyy. O Will Smith nunca teria saído daquela cadeira para participar numa violência estúpida", afirma Sean Penn, vencedor de um Óscar, numa nova entrevista.

PUBLICIDADE

Sean Penn, duas vezes vencedor de um Óscar, fez algumas afirmações interessantes numa entrevista recente, sem rodeios, à revista "Variety."

A promover o documentário Superpower, que estreou no início deste ano no Festival de Cinema de Berlim e que chega à Paramount+ a 18 de setembro, Penn criticou os Óscares por não incluírem o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy na transmissão do evento.

"O produtor dos Óscares pensou: 'Oh, ele não é suficientemente alegre'. Bem, adivinhem o que vos calhou em vez disso? Will Smith!" disse Penn na entrevista, referindo-se à infame bofetada que Smith deu ao apresentador Chris Rock pouco antes do seu discurso de aceitação do Óscar de Melhor Ator.

"Eu não conheço Will Smith. Encontrei-o uma vez", continuou Penn. "Ele pareceu-me muito simpático quando o conheci. Ele foi muito bom em King Richard. Então, por que raio cuspiu em si próprio e em toda a gente com esta coisa estúpida? Porque é que eu fui para a cadeia pelo que tu fizeste? E tu continuas aí sentado? Porque é que vocês estão de pé a aplaudir o pior momento dele como pessoa?"

Para quem estiver confuso, Penn refere-se à sua pena de prisão em 1987 por condução imprudente e por ter agredido um figurante no cenário do seu filme Colors.

"Esta merda não teria acontecido com Zelenskyy. Will Smith nunca teria saído daquela cadeira para fazer parte de uma violência estúpida", disse Penn.

AP Photo/Markus Schreiber
Volodymyr Zelenskyy dirige-se ao público por videoconferência durante a cerimónia de abertura do Festival Internacional de Cinema de Berlim - 16 de fevereiro de 2023.AP Photo/Markus Schreiber

Superpower foi codirigido com Aaron Kaufman e é uma crónica sincera da improvável ascensão política de Zelenskyy após a sua carreira anterior como comediante de televisão. O filme retrata a invasão russa da Ucrânia em 2022. É um documento bem intencionado e por vezes inspirador, mas que tropeça na auto-promoção, na melhor das hipóteses, e na propaganda superficial, na pior.

Penn apresentou a aparição virtual de Zelenskyy nos Globos de Ouro de 2023 e disse no ano passado que iria derreter as suas estatuetas em apoio à Ucrânia se Zelenskyy não fosse convidado para os Prémios da Academia. O pedido de Zelenskyy para discursar na cerimónia dos Óscares terá sido recusado duas vezes, tanto em 2023 como em 2022, com sugestões de que o produtor dos Óscares, Will Packer, teria manifestado preocupação por permitir a Zelenskyy demasiado tempo de antena.

Pensei: "Bem, que se lixe, sabem? Vou dá-los à Ucrânia", disse Penn à "Variety." "Podem ser derretidos e transformados em balas que podem ser disparadas contra os russos."

Em vez de derreter os seus Óscares, Penn acabou por oferecer a Zelenskyy uma estatueta em novembro passado, um gesto que o próprio ator descreveu como "uma coisa simbólica e tola", e que lhe valeu uma crítica generalizada nas redes sociais.

"Disse-lhe que o guardasse e o levasse para Malibu depois de tudo isto ter acabado e o seu país estar a salvo", referiu Penn. Em troca, Zelenskyy homenageou o ator com a Ordem de Mérito do III grau por serviços excecionais, bem como com uma placa comemorativa.

AP/Ukrainian Presidential Press Office
Penn entrega um Óscar a Zelenskyy - 8 de novembro de 2022AP/Ukrainian Presidential Press Office

Na mesma entrevista à "Variety", Penn também manifestou a sua desconfiança relativamente à proposta de utilização de inteligência artificial por parte dos estúdios nas negociações do SAG-AFTRA.

"Querem as minhas análises, os meus dados de voz e tudo isso. OK, eis o que eu acho justo: quero os da sua filha, porque quero criar uma réplica virtual dela e convidar os meus amigos para fazermos o que quisermos numa festa virtual agora mesmo. Pode, por favor, olhar para a câmara e dizer-me que acha isso fixe?"

Não, isso está longe de ser fixe. É uma reação um pouco desproporcionada, para dizer o mínimo, apesar das práticas de IA preocupantes dos estúdios e das greves de argumentistas e atores em curso nos EUA.

Outras fontes • Variety

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sean Penn aplaudido de pé na Berlinale por documentário sobre guerra na Ucrânia

Record Store Day 2024: Quais os lançamentos a que deve estar atento?

"The Tortured Poets Department" de Taylor Swift: o nosso veredito